quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Prece para o Ano Novo

Neste ano que se inicia, abra os meus olhos,
os meus ouvidos, os meus sentidos
e o meu coração. Que eu veja além do comum.

Que eu enxergue, através dos homens,
o que há de melhor em cada um. 

Que eu ouça somente as palavras bonitas.

Que eu sinta apenas as coisas boas.

Que eu seja mais do que um simples mortal.

Que eu seja eterna como eterna deve ser a esperança. 

Que eu seja maior que a própria vontade de crescer. 

Que eu queira mais do que o próprio querer. 

Que eu seja mais do que esperam de mim.

Que eu possa expandir felicidade e perceber
na simplicidade o valor de todas as coisas. 

Que eu seja a semelhança do bem. 

Que todos que de mim se aproximarem
pressintam o amor que tenho a oferecer. 

Que eu nunca cobre nada dos outros,
mas cobre de mim. Que eu consiga me doar
sem esperar agradecimento. 

Que eu seja simples e grandiosa, como simples
e grandiosa é a criação. Que eu permaneça voltada
ao que é bom e precioso - a vida em toda
a essência de sua grandeza. 

E assim, serei humana e feliz,
humilde e poderosa, amante e amada.
Estarei pronta e de braços abertos para colher os frutos
de um novo tempo, que espera mais compreensão e
tolerância de cada um para todos os seres do universo.

Assim, teremos a verdadeira comunhão entre o ser e
o mundo que o acolhe - todos os seres inteirados, 
respeitando o espaço comum. E o mundo ficará bem melhor
e eu terei feito apenas, uma parte de tudo isso.

Aquela pequena parte que poderá ser a grande diferença. 
Que eu tenha a felicidade de ver meus amigos e familiares
unidos em um só pensamento, o de amor, paz e harmonia.

Que eu tenha a felicidade de um ser privilegiado por sua
bondade de encontrar no ano que se inicia um mundo melhor
para todos os seres do universo.

Então estarei em paz. 

Que assim seja!


(Desconheço a autoria. Se alguem souber, me avise p/ que eu possa dar os creditos)

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010


Veja abaixo como dizer Feliz Natal em várias línguas.

Alemanha: Fröhliche Weihnachten
Bélgica: Zalige Kertfeest
Brasil: Feliz Natal
Bulgária: Tchestito Rojdestvo Hristovo, Tchestita Koleda
Catalão: Bon Nadal
China: Sheng Tan Kuai Loh (mandarim) Gun Tso Sun Tan’Gung Haw Sun (cantonês)
Coréia: Sung Tan Chuk Ha
Croácia: Sretan Bozic
Dinamarca: Glaedelig Jul
Eslovênia: Srecen Bozic
Espanha: Feliz Navidad
Estados Unidos da América: Merry Christmas
Hebraico: Mo’adim Lesimkha
Holanda: Hartelijke Kerstroeten
Inglaterra: Happy Christmas
Finlândia: Hauskaa Joulua
França: Joyeux Noel
País de Gales: Nadolig Llawen
Galego (na Galicia): Bo Nada
Grécia: Eftihismena Christougenna
Irlanda: Nodlig mhaith chugnat
Itália: Buon Natale
Japão: Shinnen Omedeto
Nova Zelândia em Maori: Meri Kirihimete
México: Feliz Navidad
Noruega: Gledelig Jul
Polônia: Boze Narodzenie
Portugal: Boas Festas
Romênia: Sarbatori vesele
Rússia: Hristos Razdajetsja
Sérvia: Hristos se rodi
Suécia: God Jul
Tailândia: Sawadee Pee mai
Turquia: Noeliniz Ve Yeni Yiliniz Kutlu Olsun
Ucrânia: Srozhdestvom Kristovym
Vietnã: Chung Mung Giang Sinh
A todos que me acompanharam durante esse ano, e que com certeza foram peças preciosas e fundamentais na minha jornada, meus sinceros votos de um


quinta-feira, 16 de dezembro de 2010


O Perdão e seus efeitos colaterais
Priscila de Loureiro Coelho


Hoje em dia muito se fala sobre o Perdão e o poder que ele exerce, interferindo em nossa qualidade de vida.
A esse respeito, acho interessante que se coloquem alguns pontos em evidência, para que este conhecimento possa produzir benefícios consistentes na vida de quem por ele se interessar.
Definir o perdão se faz necessário, uma vez que precisamos entender do que estamos falando. Deixemos de lado a idéia religiosa ligada a ele, e tentemos compreender o que significa o perdão em termos de comportamento.
No dicionário Aurélio, encontramos a definição de perdão da seguinte maneira: Remissão de pena; desculpa; indulto. Podemos dizer que cientificamente a ação de perdoar implica esquecer; não mais considerar algo relevante; compreender que algo não tem mais poder algum sobre nossa vida, enfim, encarar uma situação de modo a desvinculá-la do significado emotivo que ela contém.
Em meu trabalho é comum ouvir das pessoas: Eu perdôo, mas não esqueço! E isso, meus amigos, dito com uma carga de emoção que não deixa dúvida de que, o que está na memória desta pessoa não é o fato em si, mas a emoção que este fato provocou em seu coração.
Quando dizemos que o perdão é um ato de esquecimento, na verdade nos referimos a diluição da emoção negativa que experimentamos por ocasião do evento que gerou a mágoa, raiva, rancor, ressentimento, enfim, todo tipo de energia destrutiva que nos faz mal.
Li em algum lugar uma observação que achei valiosa. Dizia que o rancor, o desejo de vingança, era o mesmo que alguém tomar veneno e esperar que o outro morresse. Esse pensamento favorece o entendimento do efeito negativo e fatal que pode gerar, em nossa própria vida, esse tipo de emoção. Tão ilógica quanto ele, é qualquer tipo de ação que vise devolver ao outro a mesma emoção negativa que se experimentou ao viver uma situação.
Um dos aspectos que mais me atrai na filosofia é o fato dela instigar que indaguemos e caminhemos cada vez mais, em nossa compreensão relacionada à vida. Não pretende dar respostas, mas instigar questionamentos que nos levem a descobertas, o que considero saudável, desejável e fundamental para a evolução de nossa consciência.
Podemos inferir que o perdão é antes de mais nada um ato de vontade. Uma decisão racional de buscar desvencilhar-se de sentimentos nocivos que nos roubam energia e nos enfraquecem, podendo degenerar nosso organismo.
Hoje sabemos que em diversos países, laboratórios pesquisam os efeitos físicos que o perdão provoca no corpo humano. Descobriu-se que ao perdoar uma pessoa apresenta alteração em seu sistema imunológico. Seu organismo comporta-se de maneira mais harmônica e há considerável melhora em seu funcionamento.
Essa informação abre possibilidades que podem mudar radicalmente a própria conduta dos profissionais da área de saúde. É possível que se descubra uma fonte de energia que pode ser acionada por nós mesmos, através de uma conduta adequada.
Assim, o homem vai pesquisar para criar em laboratório algum medicamento que atue no funcionamento de seu organismo, provocando o mesmo efeito que o perdão causa. Não é curioso, sendo que ele mesmo tem a capacidade de gerar este funcionamento, através de uma consciência mais clara e racional?
Sabemos da dificuldade que há em lidarmos com as emoções. Particularmente, acredito ser este o grande desafio que temos nesta dimensão. O que proponho é que, enquanto a ciência se dedica à pesquisa deste “medicamento”, quem sabe, cada um que se interessar pelo assunto, possa pesquisar em sua própria vida, aproveitando-a como um laboratório, os efeitos que o perdão provoca em si mesmo. Quem sabe possa beneficiar-se com esta atitude e através de seu exemplo, colaborar para que outros também assim procedam!
Podemos ter muitas surpresas, e agilizar os benefícios que o perdão nos traz. Independente da crença, da religiosidade, não se pode negar uma verdade. A bíblia aponta o perdão como um lenitivo ao sofrimento e uma oportunidade de recuperação (resgatar algo que se perdeu, ou se deteriorou).
Algumas vezes, a humanidade se deixa levar por convicções, idéias, conceitos e interpretações, pessoais ou de grupos, que terminam por causar-lhe mais mal do que bem.  Talvez, só talvez, seja hora de pensarmos de modo universal, buscarmos entendimento dentro da esfera da coletividade, e então poderemos, quem sabe, compreender melhor a dinâmica da vida nos domínios do relacionamento humano.
Acredito que vale a pena pesquisar essa questão que diz respeito a nossa felicidade e a possibilidade de ainda experimentarmos um mundo melhor, onde a paz seja a tônica predominante na sociedade, tornando-a mais proativa e fraterna.
 
 
 
 

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

TEU AMOR, TUA ALEGRIA

                                        (Tela pintada por Sandra Hasmann)

Sê amoroso, contigo, com os teus.
Procura o teu centro em meio as tuas angústias, em meio as tuas confusões.
É o teu estado amoroso que te dará
o fortalecimento necessário para
saberes que, viver amorosamente
faz parte da tua natureza.
Protege-te, docemente, e ouve o murmurar da paz em teu coração.
Invoca luz ao teu caminho, traz bênçãos,
todas as bênçãos do Universo
para junto de ti.
Anda com teus planos, com tua harmonia e cerca-te de tranqüilidade.
Não prolongues as tuas causas mal resolvidas; apressa-te a ter contato com a
natureza, com as águas doces correndo
pelas verdes matas e lá, silencia,
sente o que é estar na paz do teu silêncio,
a que destes permissão para existir.
Nada há para temeres.
Muito há para conheceres e te deleitares.
Quando desejares por algo que te possa ajudar ainda mais em tua alegria,
em teu amor, pede e ser-te-á dado.
Viver assim é feito para um ser que, como tu, merece todo amor, toda alegria
e toda ajuda possível para que esta realidade seja verdadeira e não um mero sonho.
Sê feliz, dá a ti mesmo toda atenção
e todo cuidado.
Acima de todas as coisas, tua alegria
e teu amor são necessários para que a
luz do amor e da alegria volte a brilhar sobre o mundo, o mundo que, dia a dia,
escolhemos para viver.

FONTE: http://www.paz.com.br/debem/index.html

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

CRIATIVIDADE SEM LIMITES

- por Jerônimo Mendes - 
                                                                

Parafraseando Abraham Maslow, psicólogo norte-americano, “o homem criativo não é aquele sobre o qual se acrescentou algo, mas aquele do qual nada se tirou.” Em outras palavras, nascemos originalmente criativos, mas na medida em que crescemos, a mente vai sendo afetada por modelos e ideias alheias e isso inibe a criatividade.
 
O ser criativo é interessado por todo tipo de assunto: história antiga, química, matemática, filosofia, astronomia, Leonardo da Vinci, Maias, Incas, Astecas, Ilha de Páscoa e a vida dos Aborígenes australianos. Não existe limite porque ele está sempre juntando as informações para formar uma nova ideia.
 
Olhe para os seus filhos, sobrinhos e filhos dos seus amigos. Eles estão sempre perguntando, procurando algo novo para fazer, um aparelho eletrônico para desmontar ou onde colocar o dedinho curioso. As crianças não se preocupam muito com o fato de estarem erradas. Quando não sabem exatamente o que fazer em determinada situação, elas improvisam e isso estimula a criatividade.
 
Para Ken Robinson, PhD em educação e autor do clássico O Elemento-Chave, os sistemas escolares de todo o mundo incutem em nós uma noção muito restrita de inteligência e capacidade, e dão excessivo valor a determinados tipos de talento e habilidades.
 
Isso faz com que outros tipos igualmente importantes de habilidade ou de inteligência sejam negligenciados, ignorando a relação existente entre eles, os quais, da mesma forma, são muito necessários ao desenvolvimento da vida em sociedade. O que seria do balé e da música se nada existisse além da matemática, da física e da inteligência verbal?
 
Por conta de tudo isso, a maioria das pessoas não consegue explorar toda a gama de suas aptidões e interesses. Há pouco mais de trinta ou quarenta anos, qualquer criança que não fosse boa em matemática e português, por exemplo, era considerada fora do padrão. Outras habilidades sequer eram exploradas e, quando despertadas, eram ignoradas.
 
A impressão que se passa é a de que se você não tiver habilidade para física ou matemática, suas chances são poucas. Embora isso não esteja totalmente descartado, pesquisadores como Howard Gardner, Ken Robinson e Roger Von Oech, entre outros, já comprovaram a existência das múltiplas inteligências, portanto, é possível ser criativo em qualquer área do conhecimento humano.
 
Nos dias de hoje, conhecimento e informação são as matérias-primas das novas ideias, entretanto, somente isso não é suficiente para tornar uma pessoa criativa. Quantas pessoas você conhece que sabem tudo sobre tudo, porém não sabem o que fazer com tudo isso e o conhecimento permanece dormente à espera de um estímulo.
 
Ser criativo não basta. O mundo está cheio de boas ideias que morrem no instante em que você se descuida delas. A verdadeira chave para o sucesso criativo está no que você consegue fazer com o conhecimento que adquire, portanto, ser criativo pressupõe atitudes e novas perspectivas para procurar ideias, manipular conhecimento e aproveitar a experiência.
 
Há muito tempo atrás, quando o alemão Johann Gutemberg associou dois princípios distintos, a prensa de vinho e o cunho de imprimir moedas, ideia que resultou na criação da prensa tipográfica e do tipo móvel, pessoas próximas a ele pensaram que ele estava delirando.
 
Através de uma simples pergunta e ousada atitude, a ideia foi colocada em prática e revolucionou a história da humanidade: “Se eu pegasse esses cunhos de moeda e colocasse vários sob pressão na prensa de vinho, será que a imagem permaneceria impressa no papel? Todos conhecem o resultado desse experimento até hoje.
 
Acontece o mesmo com a maioria das pessoas. A mente é bombardeada todos os dias por milhares de ideias e pensamentos que são ignorados na mesma velocidade em que surgem. Em suma, as ideias surgem, as perguntas surgem, mas a maioria não corre atrás do experimento porque encontra sempre uma justificativa mais forte para contestá-las.
 
Por que não pensamos em coisas diferentes com mais frequência? De acordo com Roger Von Oech, autor deUm “toc” na cuca – livro fantástico para você e para seus filhos -, existem duas razões fundamentais para isso: a primeira é que não é preciso ser criativo para fazer boa parte do que fazemos; a segunda é que a maioria das pessoas mantém uma postura que bloqueia o pensamento através da manutenção do status quo. Na prática, pensar dá trabalho.
 
Posturas assim são denominadas bloqueios mentais. Geralmente, surgem com respostas prontas do tipo “isso não tem lógica”, “isso não é da minha área”, “seja prático”, “não seja bobo”, “para que reinventar a roda”, “não brinque com isso” ou ainda a famigerada “siga as normas”.
 
Walter Isaacson, jornalista e biógrafo de Einstein, assim descreveu a criatividade do famoso cientista: “Quando era um jovem estudante, ele nunca teve facilidade para aprender por memorização. Mais tarde, como teórico, conquistou o sucesso não pela força bruta de seu poder de processamento mental, mas pelo valor de sua imaginação e criatividade. Era capaz de construir equações extremamente complexas, mas, mais importante, sabia que a matemática é a linguagem que a natureza utiliza para descrever as maravilhas.”
 
Para resolver determinado problema, Einstein recorria ao violino para ajudá-lo. Segundo um amigo, ele costumava tocar violino na cozinha até tarde da noite, improvisava melodias enquanto pensava sobre problemas complicados. Então, de repente, no meio da música, anunciava com entusiasmo: “Sim, é isso!” A resposta ao problema vinha por inspiração.
 
Dentro de cada um de nós existe um Einstein, um Copérnico, um Steve Jobs, um Drummond e um Machado de Assis. Na maioria dos casos, o que não existe é a consciência de quão inteligente as pessoas são. Assim como a inteligência, a criatividade individual é tão única quanto a sua própria impressão digital, portanto, sempre haverá algo que você pode fazer melhor do que os outros.
 
Eu coloquei a minha criatividade para funcionar e decidi passar o resto da vida orientando as pessoas e escrevendo artigos e livros para despertar o potencial criativo existente dentro de cada uma que cruzar o meu caminho. Assim sendo, pegue o seu violino, corra para o quarto ou a cozinha e lembre-se: para ser capaz de exercer a sua criatividade sem limites, você também precisa ser capaz de desaprender o que já sabe.
 
Pense nisso e seja feliz!

segunda-feira, 29 de novembro de 2010




Um MEIO ou uma DESCULPA?

Por Roberto Shinyashiki  
Não conheço ninguém que conseguiu realizar seu sonho sem sacrificar feriados e domingos pelo menos uma centena de vezes. Da mesma forma, se você quiser construir uma relação amiga com seus filhos, terá que se dedicar a isso, superar o cansaço, arrumar tempo para ficar com eles, deixar de lado o orgulho e o comodismo.

Se quiser um casamento gratificante, terá que investir tempo, energia e sentimentos nesse objetivo. O sucesso é construído à noite! 
Durante o dia você faz o que todos fazem. Mas, para obter um resultado diferente da maioria, você tem que ser especial. Se fizer igual a todo mundo, obterá os mesmos resultados.

Não se compare à maioria, pois, infelizmente ela não é modelo de sucesso.
Se você quiser atingir uma meta especial, terá que estudar no horário em que os outros estão tomando chopp com batatas fritas. Terá de planejar, enquanto os outros permanecem à frente da televisão. Terá de trabalhar enquanto os outros tomam sol à beira da piscina.

O mundo não está nem aí, se vc está cansado ou triste, ele não pára. E quem vive lamentado ou reclamando da vida nunca vai conseguir chegar em lugar nenhum.

A realização de um sonho depende de dedicação. Há muita gente que espera que o sonho se realize por mágica, mas toda mágica é ilusão, e a ilusão não tira ninguém de onde está, em verdade a ilusão é combustível dos perdedores pois... 
  
Quem quer fazer alguma coisa, encontra um MEIO. Quem não quer fazer nada, encontra uma DESCULPA...

terça-feira, 23 de novembro de 2010


O que faz bem e o que faz mal...

Acho a maior graça. Tomate previne isso, cebola previne aquilo, chocolate faz bem, chocolate faz mal, um cálice diário de vinho não tem problema, qualquer gole de álcool é nocivo, tome água em abundância, mas não exagere...
Diante desta profusão de descobertas, acho mais seguro não mudar de hábitos.
Sei direitinho o que faz bem e o que faz mal pra minha saúde.
Prazer faz muito bem.
Dormir me deixa 0km.
Ler um bom livro faz-me sentir novo em folha.
Viajar me deixa tenso antes de embarcar, mas depois rejuvenesço uns cinco anos.
Viagens aéreas não me incham as pernas; incham-me o cérebro, volto cheio de ideias.
Brigar me provoca arritmia cardíaca.
Ver pessoas tendo acessos de estupidez me embrulha o estômago.
Testemunhar gente jogando lata de cerveja pela janela do carro me faz perder toda a fé no ser humano.
E telejornais... os médicos deveriam proibir - como doem!
Caminhar faz bem, dançar faz bem, ficar em silêncio quando uma discussão está pegando fogo, faz muito bem! Você exercita o autocontrole e ainda acorda no outro dia sem se sentir arrependido de nada.
Acordar de manhã arrependido do que disse ou do que fez ontem à noite é prejudicial à saúde!
E passar o resto do dia sem coragem para pedir desculpas, pior ainda!
Não pedir perdão pelas nossas mancadas dá câncer, não há tomate ou mozarela que previna.
Ir ao cinema, conseguir um lugar central nas fileiras do fundo, não ter ninguém atrapalhando sua visão, nenhum celular tocando e o filme ser espetacular, uau!
Cinema é melhor pra saúde do que pipoca!
Conversa é melhor do que piada.
Exercício é melhor do que cirurgia.
Humor é melhor do que rancor.
Amigos são melhores do que gente influente.
Economia é melhor do que dívida.
Pergunta é melhor do que dúvida.
Sonhar é melhor do que nada!
Martha Medeiros

sábado, 20 de novembro de 2010


O QUE FOI QUE O MENDIGO DISSE
(Essa história de autoria desconhecida está presente no volume 5 da coleção FRASES, DICAS E HISTÓRIAS MARAVILHOSAS)
                                   
Estava triste, desmotivado. Sua mulher havia deixado de amá-lo. Levantou da cama e vestiu-se naquela manhã de domingo. Sem nada para fazer, saiu de casa e andou sem rumo. Até aquele dia, nunca tinha reparado como era penoso viver sem amor.
Depois de andar durante horas, sentou-se à sombra de uma árvore frondosa no banco de uma praça, de cabeça baixa. Ao seu lado, sentou-se um homem que, pelo seu aspecto, pareceu-lhe um mendigo. Quase se levantou para seguir o seu caminho, mas o sorriso do homem o reteve. Aos poucos, se estabeleceu um diálogo e uma animada conversa que se estendeu por horas.
Finalmente, o marido se levantou do banco, deixando dinheiro na mão do mendigo. Sua postura já estava diferente.
Agora, com passo enérgico, voltou para casa, tomou banho, fez a barba e se vestiu com todo cuidado. Saiu sem dar explicações e sua mulher, que já não o amava, se mostrou levemente curiosa com a sua nova atitude.
Voltou à noite, bem tarde. No dia seguinte, cumprimentou gentilmente sua mulher e foi trabalhar. Na volta, vestiu um short, calçou tênis e fez uma longa caminhada noturna. Dormiu com excelente disposição.
O dia seguinte foi igual, talvez melhor. Sua mulher, que não o amava, e seus filhos se surpreenderam. Parecia ter perdido a tristeza.
Ganhara uma força e uma elegância que a família nunca antes tinha notado. Continuou a ser gentil com a mulher mas nunca mais lhe pediu desculpas ou explicações, nem exigiu que fizesse amor com ele.
Passaram-se semanas. A atitude do marido continuava firme e a disposição otimista instalou-se de vez. A mulher sentia-se cada vez mais intrigada com a mudança miraculosa do marido e teve mais simpatia por suas novas atitudes, sábias e moderadas. Embora ela persistisse em não amá-lo, ele melhorava seu desempenho como pessoa e como pai.
Agora, os amigos o procuravam. Era evidente que tinha se transformado num homem sábio.
Quanto a mim, sou um sujeito profundamente curioso, talvez por ser escritor e fui à mesma praça onde estivera o marido a fim de procurar o mendigo. Pude reconhecê-lo imediatamente.
Sem vacilar, sentei-me a seu lado. Apresentei-me e perguntei o que ele tinha dito para o marido.
Sorrindo, o mendigo me respondeu:
- Ah, lembro... Não dei grande conselho. Disse-lhe apenas que, com minha experiência de mendigo, aprendi que nunca se deve pedir dinheiro e, pelas mesmas razões, jamais se deve suplicar amor. Essas são duas coisas que sempre nos negam quando as pedimos.
E sorrindo, acrescentou:
- “O dinheiro, a gente ganha; o amor se conquista”.
Não me pediu nada. Mesmo assim, agradecido, dei-lhe R$ 100,00.

Orlando Nussi

sábado, 13 de novembro de 2010

O QUE É SUCESSO?


Aos 02 anos sucesso é: conseguir andar. 





Aos 04 anos  sucesso é: não fazer xixi nas calças. 

Aos 12 anos  sucesso é: ter amigos. 

Aos 18 anos  sucesso é: ter carteira de motorista. 

Aos 20 anos  sucesso é: fazer sexo. 

Aos 35 anos  sucesso é: dinheiro. 

Aos 50 anos  sucesso é: dinheiro. 

Aos 60 anos  sucesso é: fazer sexo. 

Aos 70 anos  sucesso é: ter carteira de motorista. 
Aos 75 anos  sucesso é: ter amigos. 

Aos 80 anos  sucesso é: não fazer xixi nas calças. 

Aos 90 anos  sucesso é: conseguir andar.

ASSIM É A VIDA.... 

"...NÃO LEVAMOS NADA DESSA VIDA, PARA QUE PERDER TEMPO COM MALDADE, COM FALTA DE
 AMOR?! TODOS TEREMOS O MESMO DESTINO INDEPENDENTEMENTE DA CONDIÇÃO FINANCEIRA, DA CLASSE SOCIAL; PORTANTO , AME , BRINQUE , PERDOE E APROVEITE ! "

(DESCONHEÇO AUTORIA)