terça-feira, 13 de dezembro de 2011


O que é o Natal? 
                                                                                 ( Autor anônimo)
                                            



Uma figura de destaque na comemoração do Natal é um homem de cabelo e barba brancos vestindo uma roupa vermelha com detalhes de pele branca chamada Papai Noel. Será que o Natal é isso?

Certa véspera de Natal, já tarde, joguei-me na minha poltrona, cansada, mas satisfeita. As crianças estavam na cama, os presentes todos embrulhados e o leite e os biscoitos ao lado da lareira só esperando o Papai Noel.

Admirando a árvore toda enfeitada, sentia que faltava algo. Não demorou muito e o pisca-pisca me embalou no sono. Não sei por quanto tempo dormi, mas de repente percebi que não estava sozinha. Imagine a minha surpresa quando abri os olhos e dei de cara com Papai Noel em pessoa ao lado da minha árvore de Natal. Ele estava vestido de pele da cabeça aos pés, como descrito no poema “Na Véspera do Natal”. Mas não era o “alegre velhinho” como conta a lenda. O homem diante de mim parecia triste, decepcionado, e choroso.

- O que aconteceu, Papai Noel? - perguntei. - Por que o senhor está chorando?

- Por causa das crianças. - Ele respondeu pesaroso.

- Mas as crianças o amam - eu disse.

- Eu bem sei que elas me amam e gostam dos brinquedos que lhes dou, mas parece que hoje em dia elas perderam o verdadeiro espírito do Natal. A culpa não é delas. É que os adultos se esqueceram de passar isso para as crianças, porque muitos deles nem sequer aprenderam o que é o Natal.

- Passar o quê para as crianças? - perguntei.

Com o semblante ainda mais manso e os olhos brilhando - não só de lágrimas – o doce velhinho disse gentilmente: - Não passaram às crianças a verdadeira razão do Natal. Não lhes ensinaram
que Natal é muito mais do que aquilo que se vê, ouve e toca, nem lhes ensinaram o significado dos costumes e das tradições que observamos. Deixaram de passar para elas o significado disso tudo.

Enfiando a mão na sua sacola, Papai Noel retirou uma pequena árvore de Natal e a colocou sobre a minha lareira.

- Ensine às crianças o significado da árvore. Verde é a segunda cor mais importante do Natal. O pinheiro majestoso, sempre verde, representa a esperança da vida eterna por meio de Jesus. Aponta na direção do Céu para lembrar às pessoas aonde deveriam direcionar os seus pensamentos.

Colocando a mão na sacola novamente, Papai Noel retirou uma estrela reluzente e a colocou na ponta da arvorezinha.

- A estrela foi o sinal da promessa, vindo do Céu, pois Deus prometera enviar um salvador ao mundo, e a estrela que surgiu quando Jesus nasceu simbolizava o cumprimento de tal promessa. Ensine às crianças que Deus sempre cumpre a Sua Palavra, e que quem é sábio ainda O busca.

- Vermelho, - continuou o Papai Noel - é a cor principal do Natal. E retirou então um enfeite vermelho para a minúscula árvore. - Vermelha é uma cor profunda, intensa e viva. É a cor do sangue que corre nas nossas veias e nos dá vida. Simboliza a maior dádiva que Deus nos concedeu. Ensine às crianças que Cristo deu Sua vida e derramou Seu sangue por elas, para que possam ter a vida eterna. Ao verem a cor vermelha, deveriam se lembrar desse maravilhoso presente que é a vida.

Tirando então um sininho, o colocou na árvore.

- Assim como as ovelhas perdidas encontram o caminho ao ouvirem o sino, ainda hoje ele toca para guiar todos ao redil. Ensine as crianças a seguir o verdadeiro Pastor, Aquele que deu a Sua vida pelas ovelhas.

Nesse momento Papai Noel colocou uma vela em cima da lareira e a acendeu. A tênue luz na verdade iluminou a sala toda.

- A luz da vela representa como o homem pode demonstrar a sua gratidão a Deus por ter-lhe dado Seu Filho na véspera de Natal há tantos anos. Ensine as crianças a seguir os passos de Jesus, a fazer o bem e a deixar a sua luz brilhar diante dos homens para que a vejam e glorifiquem a Deus. - Quando as luzes reluzem na árvore estão representando centenas de velas acesas, e cada uma é um dos preciosos filhos de Deus.

E novamente Papai Noel enfiou as mãos na sacola, retirando desta vez bengalinhas doces, vermelhas com listras brancas. Colocando-as na árvore, disse mansamente:

- Este doce é duro e branco. O branco simboliza o nascimento a partir de uma virgem e a natureza imaculada de Cristo. É no formato da letra “J”, representando o nome de Jesus, que veio à Terra para ser o nosso Salvador. Representa também o cajado do Bom Pastor, com o qual Ele retira das valas do mundo aqueles perdidos que, como ovelhas, se desgarraram.

- O primeiro doce tinha pequenas listras vermelhas representando as chibatadas que Jesus levou, através das quais nós somos curados, e também uma listra vermelha maior representando o sangue que Jesus derramou na cruz para podermos ter a vida eterna. Ensine essas coisas às crianças.

Papai Noel me apresentou uma linda guirlanda feita de folhas verdinhas, frescas e cheirosas, amarradas por um laço vermelho.

- O laço nos lembra o vínculo da perfeição, que é o amor. A guirlanda representa tudo de bom que o Natal reserva para aqueles que conseguem ver com os olhos e entender com o coração. Tem as cores vermelha e verde e as agulhas de pinheiro verdinhas apontando para o céu. O laço relata a história do amor por todos, e a sua cor nos faz lembrar o sacrifício de Cristo. Até mesmo o seu formato é simbólico, já que representa a eternidade e a natureza eterna do amor de Cristo. É um círculo, sem princípio e sem fim. São essas as coisas que você precisa ensinar às crianças.

- Mas onde você entra nessa história, Papai Noel? - Eu perguntei. Agora já sem lágrimas nos olhos, Papai Noel abriu um largo sorriso.

- Deus te abençoe, minha querida, - disse ele rindo. - Eu sou apenas um símbolo. Represento o espírito do convívio familiar, da alegria de dar e de receber.

Se as crianças aprenderem todas essas outras coisas, não existe o risco de me considerarem mais importante do que sou na realidade.
Acho que caí no sono novamente, porque quando acordei pensei: “Acho que finalmente estou começando a entender.” Será que foi um sonho? Não sei. Mas ainda me lembrava do que Papai Noel disse ao se despedir de mim:
- Se você não ensinar essas coisas às crianças, quem o fará?

 
(Fonte: http://www.mundomelhor.net/mm/categories/8-Atividades)

terça-feira, 22 de novembro de 2011

O casamento de Jennifer





O casamento de Jennifer se aproximava rapidamente. Nada diminuía sua alegria.
Nem mesmo o divórcio complicado de seus pais.
Sua mãe encontrara o vestido perfeito para usar e seria a mais bem vestida mãe de noiva jamais vista!
Uma semana depois, Jennifer soube, horrorizada, que a nova e jovem mulher de seu pai tinha comprado o mesmo vestido de sua mãe. Jennifer lhe pediu para trocá-lo, mas ela se recusou:
_“De modo algum, eu fico linda nesse vestido e vou usá-lo”, foi a resposta da moça.
Jennifer contou para a mãe que ouviu a notícia muito tranquila:
_ ”Não se incomode, filha, eu compro outro vestido. Afinal, é o seu dia”.
Alguns dias depois as duas saíram para as compras e a mãe comprou outro lindo vestido. Quando pararam para almoçar a moça perguntou:
_“Mãe, você não vai trocar aquele vestido? Você não tem mesmo outra ocasião para usá-lo”.
 A mãe sorriu e respondeu:
_ “Claro que tenho, querida...Vou usá-lo no jantar do ensaio na noite anterior à cerimônia”.

Agora pergunto: há alguma mulher lendo isto aqui que não tenha adorado essa história?

(texto recebido por email...)

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Você acredita na vida após o nascimento?

                                                 foto de Tracy Raver e Kelley Ryden

Desconheço a autoria  da parábola abaixo (quem souber por favor me notifique!), mas, com certeza encerra uma mensagem muito especial. Que ela nos ajude a caminhar no escuro da incerteza em busca de uma Luz Maior!


No ventre de uma mulher grávida estavam dois bebês. O primeiro pergunta ao outro:


- Você acredita na vida após o nascimento?


- Certamente. Algo tem de haver após o nascimento. Talvez estejamos aqui principalmente porque nós precisamos nos preparar para o que seremos mais tarde.


- Bobagem, não há vida após o nascimento. Como verdadeiramente seria essa vida?


- Eu não sei exatamente, mas certamente haverá mais luz do que aqui. Talvez caminhemos com nossos próprios pés e comeremos com a boca.


- Isso é um absurdo! Caminhar é impossível. E comer com a boca? É totalmente ridículo! O cordão umbilical nos alimenta. Eu digo somente uma coisa: A vida após o nascimento está excluída – o cordão umbilical é muito curto.


- Na verdade, certamente há algo. Talvez seja apenas um pouco diferente do que estamos habituados a ter aqui.


- Mas ninguém nunca voltou de lá, depois do nascimento. O parto apenas encerra a vida. E afinal de contas, a vida é nada mais do que a angústia prolongada na escuridão.


- Bem, eu não sei exatamente como será depois do nascimento, mas com certeza veremos a mamãe e ela cuidará de nós.


- Mamãe? Você acredita na mamãe? E onde ela supostamente está?


- Onde? Em tudo à nossa volta! Nela e através dela nós vivemos. Sem ela tudo isso não existiria.


- Eu não acredito! Eu nunca vi nenhuma mamãe, por isso é claro que não existe nenhuma.


- Bem, mas às vezes quando estamos em silêncio, você pode ouvi-la cantando, ou sente como ela afaga nosso mundo. Saiba, eu penso que só então a vida real nos espera e agora apenas estamos nos preparando para ela…





terça-feira, 25 de outubro de 2011


FATEC JACAREÍ



VESTIBULAR 1º SEMESTRE DE 2012

40 VAGAS – MANHÃ

CURSO OFERECIDO: MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS


Perfil Profissional: O Tecnólogo em Meio Ambiente e Recursos Hídricos poderá atuar em instituições públicas e privadas, dedicar-se à direção e gerenciamento de seu próprio negócio, à prestação de serviços de consultoria, ao ensino e à pesquisa tecnológica identificando, caracterizando e solucionando problemas ambientais


Informações e inscrições eletrônicas: de 03/10 até as 15h do dia 08/11/2011


pelo site www.vestibularfatec.com.br


Exame: 04/12


Central de Informações ao candidato

Capital e Grande São Paulo: (11) 3471-4103/

Demais localidades: 0800-596-9696

Escola Agrícola de Jacareí – ETEC Cônego José Bento

Endereço: Avenida Nove de Julho, 745 – Jd. Pereira do Amparo – Jacareí – SP

 TEL.: (012)-39515230


São as únicas vagas públicas na área ambiental dos cursos superiores do Vale do Paraíba!

domingo, 16 de outubro de 2011

TRIBUTO AO TEMPO
 Dalai Lama




 
“Dizem que a vida é curta, mas não é verdade. A vida é longa para quem consegue viver pequenas felicidades. E essa tal felicidade anda por aí, disfarçada, como uma criança tranqüila brincando de esconde-esconde. Infelizmente às vezes não percebemos isso e passamos nossa existência colecionando ‘NÃO’: a viagem que não fizemos, o presente que não demos, a festa que não fomos, o amor que não vivemos, o perfume que não sentimos. A vida é mais emocionante quando se é ator e não expectador, quando se é piloto e não passageiro, pássaro e não paisagem, cavaleiro e não montaria. E como ela é feita de instantes, não pode nem deve ser medida em anos ou meses, mas em minutos e segundos. Esta mensagem é um tributo ao tempo. Tanto aquele tempo que você soube aproveitar no passado quanto aquele tempo que você não vai desperdiçar no futuro. Porque a vida é agora. Não tenha medo do futuro, apenas lute e se esforce ao máximo para que ele seja do jeito que você sempre desejou. A morte não é a maior perda da vida.
A maior perda da vida é o que morre dentro de nós enquanto vivemos.”

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

DIA  DA  SECRETÁRIA
                                                                           - por Sandra Hasmann -

                                                     

Sabado p.p. foi a festa de quinze anos de minha neta Marcella, e tudo estava muito lindo, perfeito, melhor do que imaginamos que seria. Sim, melhor do que imaginamos porque sempre estrapolamos um pouco na idealização de nossos objetivos que, ao se realizarem, sempre acabam ficando um pouco aquém do imaginado. O sonho quase sempre se sobrepõe a realidade, porém, com a graça de Deus correu tudo como uma belíssima melodia tocada por um exímio musico num instrumento perfeitamente afinado. Marcella estava belíssima, os rituais naturais que, mesmo sem nos darmos conta, acabamos por seguir a risca, sairam na mais perfeita ordem : primeiro vestido, fotos com convidados, a dança - no caso só uma pois a debutante , bastante tímida, aceitou dançar na hora agá e isso porque o Mestre de Cerimonias era nada mais nada menos que o Jonas do VANGUARDA MIX, gracinha de pessoa que superou nossas expectativas com sua expontaneidade e alegria contagiantes. Marcella dançou e depois fez uma surpresa aos avós, qdo Jonas chamou-nos ao centro do Salão e ela entregou um buquê com uma linda caixa decorada repleta de suas fotos nas mais diversas idades para cada avó, e uma caixa com presentes para cada avô. Mas, o mais emocionante ainda estava por vir. De repente, Jonas disse que ainda havia uma homenagem a fazer, a uma pessoa que sempre a acompanhou e dela cuidou - e ainda cuida! - com todo carinho e amor, e sempre presente em todos os momentos, pronta a atende-la quando precisa de alguma ajuda. E então, olhou para o fundo do salão e disse: - "Venha Regina, é você!!"

Regina tapou o rosto com as duas mãos, numa atitude de espanto e emoção indisfarçável. Disse-me depois que nesse momento sentiu as pernas travarem, enquanto sua filha, que a acompanhava na mesa, dizia: "Vai, mãe, levanta, é a senhora mesmo!!" - e sob uma salva de palmas, Regina foi ao centro do salão, naquele momento na condição de ídolo de importancia descomunal, de estrela de primeira grandeza, receber o beijo e abraço de Marcella, do "artista da Rede Globo" e receber seu buquê de flores  da menina que estava com apenas quatro meses quando ela chegou a minha casa, entrando em nossa vida "de cabeça" e nela permanecendo já há quase dezesseis anos. Que emoção! Que alegria sentimos todos, naquele momento solene e mágico. Regina, minha Secretária do Lar, que depois de Marcella, também  ajudou-me a cuidar de minhas filhas Débora (mãe de Marcella), Fernanda e Patrícia, hoje todas formadas e casadas, viu nascerem mais tres crianças - Gabriella (irmã de Marcella), Felipe (filhinho de Fernanda) e Catarina (filhinha de Patrícia), hoje com quatro, tres e dois anos respectivamente, e se Deus quiser, estará ao nosso lado recebendo mais homenagens em outras festas de Debutantes, Formaturas, Casamentos...

Bem, depois do "parabéns" houve nova troca de vestidos, quando nossa debutante tirou o belíssimo vestido off whith ricamente bordado, comprado num famoso shopping em São paulo, e trocou-o por outro na cor fúccia, belíssimo (modestia a parte), que fiz com a ajuda de Regina (levamos varios dias nesse trabalho, e a arrumação da casa, é claro, ficou para segundo plano), colocando brincos da mesma cor.
                                                
A festa foi linda, mágica, inesquecível, afinal, alí havia mais que luzes, cores, sons, gente querida e/ou famosa e um buffet delicioso. Lá havia uma aura quase paupável de amor, de reconhecimento e de presença de anjos e Deus.

Com essa narrativa presto minha homenagem a todas as Secretárias que, além de mulheres, esposas, filhas, mães, profissionais em suas respectivas áreas de atuação, são anjos sempre em prontidão para nos servir e socorrer nos momentos mais complicados, e, é claro, nos acompanharem não só na necessidade e na dor, mas, acima de tudo nas alegrias dessa magnífica jornada chamada vida.

PARABÉNS, QUERIDAS SECRETÁRIAS!! QUE O DIVINO MESTRE SEMPRE AS ABENÇOE!!

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

DESABAFO
                                                                  
Na fila do supermercado, o caixa diz para uma senhora idosa:

- A senhora deveria trazer suas próprias sacolas para as compras, uma vez que sacos de plástico não são amigáveis ao meio ambiente.

A senhora pediu desculpas e disse:

- Não havia essa onda verde no meu tempo.

O empregado respondeu:

- Esse é exatamente o nosso problema hoje, minha senhora. Sua geração não se preocupou o suficiente com nosso meio ambiente.

- Você está certo - responde a velha senhora - nossa geração não se preocupou adequadamente com o meio ambiente. Naquela época, as garrafas de leite, garrafas de refrigerante e cerveja eram devolvidos à loja. A loja mandava de volta para a fábrica, onde eram lavadas e esterilizadas e eles, os fabricantes de bebidas, usavam as garrafas, umas tantas outras vezes.

Realmente não nos preocupamos com o meio ambiente no nosso tempo. Subíamos as escadas, porque não havia escadas rolantes nas lojas e nos escritórios. Caminhamos até o comércio, ao invés de usar o nosso carro de 300 cavalos de potência a cada vez que precisamos ir a dois quarteirões.

Mas você está certo. Nós não nos preocupávamos com o meio ambiente. Até então, as fraldas de bebês eram lavadas, porque não havia fraldas descartáveis. Roupas secas: a secagem era feita por nós mesmos, não nestas máquinas bamboleantes de 220 volts. A energia solar e eólica é que realmente secava nossas roupas. Os meninos pequenos usavam as roupas que tinham sido de seus irmãos mais velhos, e não roupas sempre novas.

Mas é verdade: não havia preocupação com o meio ambiente, naqueles dias. Naquela época só tínhamos somente uma TV ou rádio em casa, e não uma TV em cada quarto. E a TV tinha uma tela do tamanho de um lenço, não um telão do tamanho de um estádio; que depois será descartado como?

Na cozinha, tínhamos que bater tudo com as mãos porque não havia máquinas elétricas, que fazem tudo por nós. Quando embalávamos algo um pouco frágil para o correio, usávamos jornal amassado para protegê-lo, não plástico bolha que dura cinco séculos para começar a degradar. Naqueles tempos não se usava um motor a gasolina apenas para cortar a grama, era utilizado um cortador de grama que exigia músculos. O exercício era extraordinário, e não precisava ir a uma academia e usar esteiras que também funcionam a eletricidade.

Mas você tem razão: não havia naquela época preocupação com o meio ambiente. Bebíamos diretamente da fonte, quando estávamos com sede, em vez de usar copos plásticos e garrafas pet que agora lotam os oceanos. Canetas: recarregávamos com tinta umas tantas vezes ao invés de comprar uma outra. Abandonamos as navalhas, ao invés de jogar fora todos os aparelhos 'descartáveis' e poluentes só porque a lâmina ficou sem corte.

Na verdade, tivemos uma onda verde naquela época. Naqueles dias, as pessoas tomavam o bonde ou ônibus e os meninos iam em suas bicicletas ou a pé para a escola, ao invés de usar a mãe como um serviço de táxi 24 horas. Tínhamos só uma tomada em cada quarto, e não um quadro de tomadas em cada parede para alimentar uma dúzia de aparelhos. E nós não precisávamos de um GPS para receber sinais de satélites a milhas de distância no espaço, só para encontrar a pizzaria mais próxima.

Então, não é risível que a atual geração fale tanto em meio ambiente, mas não quer abrir mão de nada e não pensa em viver um pouco como na minha época?


(Desconheço a autoria..)

quarta-feira, 14 de setembro de 2011


Seja feliz ... Sempre!!!!

1. Afirme somente se tiver certeza; acredite somente se derem provas; gaste somente se souber de onde tirar os fundos; coma somente se tiver fome; durma somente se tiver sono e, em caso de dúvida, fique na sua e siga seu próprio nariz!

2. Abrace muito e beije mais ainda. Ria já que a vida é de graça...

3. Peça - sempre haverá alguém para lhe dar o que está precisando.

4. Despeça-se do que passou... quem vive de passado é museu.

5.Pare de se preocupar. suas desgraças nunca serão do tamanho que você pensa. Nem seus êxitos....

6. Perdoe-se por suas burrices e fracassos. Se você não se perdoar, vai ser inútil pedir desculpas ou dizer sinto muito a quem quer que seja...

7. Reze para agradecer, nunca para pedir. Você já recebeu mais do que o suficiente para ser feliz.

8. Não perca tempo em discussões inúteis. Ao invés de brigar cante uma canção, tome um banho frio ou vá dar uma volta de bicicleta no parque.

9. Desista de fazer a cabeça dos outros - o que eles pensam de você não é da sua conta.

10. Cuide de si mesmo como se estivesse cuidando do seu melhor amigo.

11. Expresse sua individualidade. Transe sua sexualidade. Apoie-se em seus talentos e virtudes. concentre-se em seus objetivos. Se conseguir pare de fumar e faça ginástica 3x por semana, no mínimo. Mude algo em si todos os dias. Abra-se com alguém.

12. Faça alguma coisa que sempre desejou fazer, que pode fazer, mas que tinha vergonha.

13. Cometa erros novos.

14. Simplifique sua vida.

15. Deixe de ser bagunçado.

16. Pare de frescura.

17. Acredite no amor; nada no mundo é mais digno de crédito.

18. Nunca pense que o amor é uma "água morna"- onde há amor, há respeito pelas diferenças; onde as diferenças são aceitas, existem pontos de vista contrários: e onde existem pontos de vista contrários os conflitos acabam em entendimento!

19. Não se intrometa na vida dos outros, nem julgue as pessoas de jeito nenhum. Deixe-as ser como são e curta o melhor de cada uma.

20. Grandes amizades não se perdem em pequenas disputas. Se se perderem, é porque não eram amizades, muito menos grandes.

21. Leia o que está escrito e ouça o que é dito. Se não compreender: pergunte. Não tenha vergonha de perguntar o que não sabe. É assim que se aprende.
 
 Ou... pelo menos comece a tentar...

( desconheço autoria, mas se alguém souber  me avise p/ que eu possa dar os devidos créditos)

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Max Gehringer 
Nas relações humanas no trabalho, existem apenas 3 regras:


Regra número 1:


Colegas passam, mas inimigos são para sempre. A chance de uma pessoa se lembrar de um favor que você fez a ela vai diminuindo à taxa de 20% ao ano. Cinco anos depois, o favor será esquecido. Não adianta mais cobrar. Mas a chance de alguém se lembrar de uma desfeita se mantém estável, não importa quanto tempo passe. Exemplo: Se você estendeu a mão para cumprimentar alguém em 1999 e a pessoa ignorou sua mão estendida, você ainda se lembra disso em 2009. 

Regra número 2:
 

A importância de um favor diminui com o tempo, enquanto a importância de uma desfeita aumenta. Favor é como um investimento de curto prazo. Desfeita é como um empréstimo de longo prazo. Um dia, ele será cobrado, e com juros. 

Regra número 3:
 

Um colega não é um amigo. Colega é aquela pessoa que, durante algum tempo, parece um amigo. Muitas vezes, até parece o melhor amigo. Mas isso só dura até um dos dois mudar de emprego. Amigo é aquela pessoa que liga para perguntar se você está precisando de alguma coisa. Ex-colega que parecia amigo é aquela pessoa que você liga para pedir alguma coisa, e ela manda dizer que no momento não pode atender. 

Durante sua carreira, uma pessoa normal terá a impressão de que fez um milhão de amigos e apenas meia dúzia de inimigos. Estatisticamente, isso parece ótimo. Mas não é!A 'Lei da Perversidade Profissional' diz que, no futuro, quando você precisar de ajuda, é provável que quem mais possa ajudá-lo é exatamente um daqueles poucos inimigos. 

Muito cuidado ao tentar prejudicar um colega de trabalho; Amanhã ou depois você pode depender dele para alguma coisa!


Portanto, profissionalmente falando, e "pensando a longo prazo, o sucesso consiste, principalmente, em evitar fazer inimigos. Porque, por uma infeliz coincidência biológica, os poucos inimigos são exatamente aqueles que têm "boa memória". 


"Na natureza não existem recompensas nem castigos. Existem consequências
."


sábado, 30 de julho de 2011

LEMBRANÇAS - Comunicando-se com o corpo

                                                       

Uma das maneiras de comunicar-se com o seu corpo é contemplar as memórias que ele tem de suas realizações. Permitir que ele comunique essas experiencias o ajuda a mudar seu ponto de vista sobre quem voce é fisicamente. Isso faz com que seu corpo responda a memoria como se o que ha nela estivesse acontecendo agora. Seu corpo se lembra de coisas de que voce já se esqueceu. Cada uma das experiencias vividas está no cérebro.

 O corpo tem sua contagem de realizações e fracassos. Por exemplo: - Pergunte o que ele mais gostava de fazer quando voce era criança. Talvez fosse correr, pular, nadar ou dançar. Se voce se concentrar nas atividades de natação ou dança, a energia de seu corpo será estimulada para que ele faça essas coisas novamente. Isso estimula a força vital dentro do corpo. Ele tem toda essa memória armazenada na "mente da célula", e pode traze-la de volta para que voce possa se sentir criança novamente. Isso estimula a força vital dentro do corpo. Provavelmente  essa seja a razão pela qual os idosos gostem tanto de ver crianças brincando.

Ao tentar parecer ou agir de uma determinada maneira a fim de identificar-se, seu corpo físico reconhece as imagens, programas ou mensagens que voce envia para ele como modelo de como ele é.

O corpo precisa de uma programação positiva e de estímulo. É um pouco do "eu acho que posso", tema de historias do tipo "o trenzinho que podia". Enquanto o cérebro estiver mandando  mensagens claras para o corpo, o mesmo vai responde-las como se fossem reais. Assim, o "eu acho que posso" na verdade criará o "eu fiz" ("e eles, não sabendo que era impossível, foram lá e FIZERAM"...- li certa vez ha muitos anos). Tudo o que falta é estar disposto a fazer a escolha, a resistir ( mas com trabalho direcionado) a ansiedade, a dúvida, as formas de pensamento de autodepreciação e substituí-las por sentimentos de orgulho, gratidão e apoio a seu corpo. Diga a seu corpo como ele é maravilhoso e como funciona perfeitamente. Como recompensa, ele vai manifestar sua profecia.

Comece a comunicar-se com seu corpo  sob esses enfoques e planos. Em meus workshops e palestras, assim como em trabalhos no consultório, abordo a comunicação corporal, pois, trata-se de uma experiencia fascinante na descoberta do EU INTEGRAL, pleno, perfeito, que vibra naturalmente na sintonia perfeita, harmoniosa, de toda a Criação.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Mensagens Para Orkut - MensagensMagicas.com

starsMensagens Para Orkut - Mensagens e Imagens Lindas

Bondade e Compaixão 
                                              - Dalai Lama -



Esta noite, gostaria de falar a vocês sobre a importância da bondade e da compaixão. Ao discutir esses temas, não me vejo como budista, Dalai Lama ou tibetano, mas sim como um ser humano e espero que vocês, no auditório, pensem em si mesmos dessa maneira. Não como americanos, ocidentais ou membros de um determinado grupo, pois essas condições são secundárias. Se interagirmos como seres humanos, podemos chegar a esse nível. Caso eu diga "sou monge" ou "sou budista", as afirmações serão, em comparação com a minha natureza de ser humano, temporárias. Ser humano é básico. Uma vez nascido assim, não se poderá mudar até a morte. Outras condições, ser ou não instruído, rico ou pobre, são secundárias.

Hoje, enfrentamos muitos problemas. Alguns são criados essencialmente por nós mesmos, com base em diferenças de ideologia, religião, raça, situação econômica ou outros fatores. Chegou, portanto, o momento de pensarmos em níveis mais profundos. Em nível humano, condição essa que deveremos apreciar e respeitar em todos os que nos cercam. Devemos construir relacionamentos baseados na confiança mútua, na compreensão, no respeito e na solidariedade, independentemente de diferenças culturais, filosóficas ou religiosas.

Todos os seres humanos são iguais. Feitos de carne, ossos e sangue. Todos queremos a felicidade e evitar o sofrimento e temos direito a isso. Em outras palavras, é importante compreender a nossa igualdade. Pertencemos todos a uma família humana. O fato de brigarmos uns com os outros deve-se a razões secundárias, e todas essas discussões são inúteis. Infelizmente, durante muitos séculos, os seres humanos usaram todos os métodos para ferir uns aos outros. Muitas coisas terríveis aconteceram, resultando em mais problemas, mais sofrimento e desconfiança. E, consequentemente, em mais divisões.

O mundo hoje está cada vez menor em vários aspectos, particularmente o econômico. Os países estão mais próximos e interdependentes e, nesse quadro, torna-se necessário, pensar mais em nível humano do que em termos do que nos divide. Assim, falo a vocês apenas como um ser humano e espero, sinceramente, que vocês estejam escutando com o pensamento: "Sou um ser humano e estou ouvindo outro ser humano falar".

Todos queremos a felicidade; nas cidades, no campo, mesmo em lugares remotos, as pessoas trabalham com o objetivo de alcançá-la, entretanto, devemos ter em mente que viver a vida superficialmente não solucionará os problemas maiores.

Há muitas crises e medos à nossa volta. Por meio do grande desenvolvimento da ciência e da tecnologia, atingimos um estado avançado de progresso material, que é necessário. Não podemos, no entanto, comparar o progresso externo com nosso progresso interior. As pessoas queixam-se do declínio da moralidade e do aumento da criminalidade, mas esses problemas não serão resolvidos, se não procurarmos desenvolver nosso interior.

No passado remoto, se houvesse uma guerra, os efeitos seriam geograficamente limitados, porém hoje, em função do progresso, o potencial de destruição ultrapassou o concebível. No ano passado estive em Hiroshima, no Japão. Mesmo tendo informações a respeito da explosão nuclear lá ocorrida, era muito diferente estar no local, ver com meus próprios olhos e encontrar pessoas que realmente sofreram com aqueles acontecimentos. Fiquei profundamente emocionado. Uma arma terrível tinha sido usada. Embora possamos considerar alguém como inimigo, temos de levar em conta que essa pessoa é um ser humano e que tem direito a ser feliz. Olhando para Hiroshima e refletindo a respeito, fiquei ainda mais convencido de que a raiva e o ódio não são meios para solucionar problemas.

A raiva não pode ser superada pela raiva. Quando uma pessoa tiver um comportamento agressivo com você e a sua reação for semelhante, o resultado será desastroso. Ao contrário, se você puder se controlar e tomar atitudes opostas "compaixão, tolerância e paciência", não só se manterá em paz, como a raiva do outro diminuirá gradativamente. Do mesmo modo, problemas mundiais não podem ser solucionados pela raiva ou pelo ódio. Sentimentos como esses devem ser enfrentados com amor, compaixão e pura bondade.

Pensem em todas as terríveis armas que existem, mas que, por si mesmas, não podem iniciar uma guerra. Por trás do gatilho há um dedo, movido pelo pensamento, não por sua própria força. A responsabilidade permanece em nossa mente, de onde se comandam as ações. Portanto, controlar em primeiro lugar a mente é muito importante. Não estou falando de meditação profunda, mas apenas de cultivar menos raiva e mais respeito aos direitos do outro. Ter uma compreensão mais clara da nossa igualdade como seres humanos.

Ninguém quer a raiva, ninguém quer a intranqüilidade, mas por causa da ignorância somos acometidos por sentimentos como esses. A raiva nos faz perder uma das melhores qualidades humanas, o poder de discernimento. Temos um cérebro bem desenvolvido, coisa que outros mamíferos não têm. Esse órgão nos permite julgar o que é certo e o que é errado. Não apenas em termos atuais, mas em projeções para daqui dez, vinte ou mesmo cem anos. Sem nenhum tipo de pré-cognição, podemos utilizar nosso bom senso para determinar o certo e o errado. Imaginar as causas e seus possíveis efeitos. Contudo, se nossa mente estiver ocupada pela raiva, perderemos o poder de discernimento e nos tornaremos mentalmente incompletos. Devemos salvaguardar essa capacidade e, para tanto, temos de criar uma companhia de seguros interna: autodisciplina, autoconsciência e uma clara compreensão das desvantagens da raiva e dos efeitos positivos da bondade. Se refletirmos a respeito dessas questões com freqüência, podemos incorporar a idéia e, então, controlar a mente.

Por exemplo: pode ser que você seja uma pessoa que se irrita facilmente com pequenas coisas. Com desenvolvida compreensão e conscientização, isso pode ser controlado. Se você fica geralmente zangado por dez minutos, tente reduzi-los para oito. Na semana seguinte, reduza para cinco e, no próximo mês, para dois. Depois, passe para zero. É assim que desenvolvemos e treinamos nossa mente. É o que penso e também o que pratico.

É perfeitamente claro que todos necessitam de paz interior, que só pode ser alcançada por meio da bondade, do amor e da compaixão. O resultado é uma família em paz, felicidade entre pais e filhos, menos brigas entre casais. Em uma nação, essa atitude pode criar unidade, harmonia e cooperação com saudável motivação. Em nível internacional, precisamos de confiança e respeito mútuos, discussões francas e amistosas, com motivações sinceras e um esforço conjunto no sentido de resolver problemas. Tudo isso é possível.

Precisamos, porém, mudar interiormente. Nossos líderes têm feito o melhor que podem para resolver nossos problemas, mas, quando um é resolvido, surge outro. Tenta-se solucionar este, surge mais um em outro lugar. Chegou o momento então de tentar uma abordagem diferente.

É certamente difícil realizar um movimento mundial pela paz de espírito, mas é a única alternativa. Caso houvesse outro método mais fácil e prático, seria melhor, porém não há. Se com armas pudéssemos chegar à paz duradoura, muito bem. Transformaríamos todas as fábricas em produtoras de armamentos. Gastaríamos todos os dólares necessários, se conseguíssemos a definitiva paz, mas tal é impossível.

As armas não permanecem empilhadas. Uma vez desenvolvidas, alguém irá usá-las. O resultado é a morte de criaturas inocentes. Portanto, a única maneira de atingirmos uma paz mundial duradoura é por meio da transformação interior. E, mesmo que essa transformação não ocorra durante esta vida, a tentativa terá sido válida. Outros seres humanos virão; a próxima geração e as seguintes. E o progresso pode continuar. Sinto que, apesar das dificuldades práticas, e, mesmo correndo o risco de que tal visão seja considerada pouco realista, vale a pena o esforço. Assim, aonde quer que eu vá, expresso essas idéias e sinto-me muito motivado porque mais pessoas têm sido receptivas a elas.

Cada um de nós é responsável por toda a humanidade. Chegou a hora de pensarmos nas outras pessoas como verdadeiros irmãos e irmãs e nos preocuparmos com seu bem-estar. Mesmo que você não possa se sacrificar inteiramente, não deverá esquecer-se das dificuldades dos outros. Temos de pensar mais sobre o futuro em benefício de toda a humanidade. Se você tentar dominar seus sentimentos egoístas e desenvolver mais bondade e compaixão, em última análise, você é quem irá sair beneficiado. É o que chamo de egoísmo sábio. Pessoas egoístas tolas só pensam em si mesmas, e o resultado é negativo. Egoístas sábios pensam nos outros, ajudam da melhor forma e também colhem os benefícios. Essa é minha simples religião. Não há necessidade de templos ou de filosofias complicadas. Nosso próprio cérebro, nosso coração são nossos templos. A filosofia é a bondade.

(Texto extraído da obra A Policy of Kindness, Snow Lion Publications, 1990.)
fonte: DalaiLama.org.br

sexta-feira, 24 de junho de 2011

       

                              “PAI, COMEÇA O COMEÇO!”

Quando eu era criança e pegava uma tangerina para descascar, corria
para meu pai e pedia: - “pai, começa o começo!”.

O que eu queria era que ele fizesse o primeiro rasgo na casca, o mais
difícil e resistente para as minhas pequenas mãos.

Depois, sorridente, ele sempre acabava descascando toda a fruta para
mim. Mas, outras vezes, eu mesmo tirava o restante da casca a partir
daquele primeiro rasgo providencial que ele havia feito.

Meu pai faleceu há muito tempo (e há anos, muitos, aliás) não sou mais criança.

Mesmo assim, sinto grande desejo de tê-lo ainda ao meu lado para, pelo
menos, “começar o começo” de tantas cascas duras que encontro pelo
caminho.

Hoje, minhas “tangerinas” são outras.

Preciso “descascar” as dificuldades do trabalho, os obstáculos dos
relacionamentos com amigos, os problemas no núcleo familiar, o esforço
diário que é a construção do casamento, os retoques e pinceladas de
sabedoria na imensa arte de viabilizar filhos realizados e felizes, ou
então, o enfrentamento sempre tão difícil de doenças, perdas, traumas,
separações, mortes, dificuldades financeiras e, até mesmo, as dúvidas
e conflitos que nos afligem diante de decisões e desafios.

Em certas ocasiões, minhas tangerinas transformam-se em enormes abacaxis......

Lembro-me, então, que a segurança de ser atendido pelo papai quando
lhe pedia para “começar o começo” era o que me dava a certeza que
conseguiria chegar até ao último pedacinho da casca e saborear a
fruta.

O carinho e a atenção que eu recebia do meu pai me levaram a pedir
ajuda a Deus, meu Pai do Céu, que nunca morre e sempre está ao meu
lado.

Meu pai terreno me ensinou que Deus, o Pai do Céu, é eterno e que Seu
amor é a garantia das nossas vitórias.

Quando a vida parecer muito grossa e difícil, como a casca de uma
tangerina para as mãos frágeis de uma criança, lembre-se de pedir a
Deus:

“Pai, começa o começo!”. Ele não só “começará o começo”, mas resolverá
toda a situação para você.

Não sei que tipo de dificuldade eu e você estamos enfrentando ou
 ainda
encontraremos pela frente neste ano.

Sei apenas que vou me garantir no Amor Eterno de Deus para pedir,
sempre que for preciso: “Pai, começa o começo!”.


(Autor desconhecido)

segunda-feira, 13 de junho de 2011

COMO VIVER UM GRANDE AMOR
Anna Sharp

Romeo_Juliet


Para se viver e manter um grande amor é preciso usar três qualidades, normalmente esquecidas quando se trata de relacionamentos: atenção, para usar a compreensão no lugar do julgamento; esforço, em controlar as reações automatizadas que nos fazem disputar a razão e finalmente responsabilidade, sobre nossos erros, escolhas e conseqüências decorrentes. 

Qualquer tipo de relacionamento envolve uma troca de interesses e quando começamos uma relação, existe sempre uma segunda intenção por trás de todos os pequenos gestos aparentemente inocentes: o homem querendo chegar até a cama e a mulher ao altar. Nesse momento usamos de todos os recursos para a sedução e contamos com a nossa química orgânica fabricando hormônios para nos auxiliar. 

Para que esta relação possa se aprofundar, é preciso estar consciente do estado quase permanente de ‘carência’ em que vivemos: existe em nosso interior uma criança esfomeada de amor e aceitação, procurando desesperadamente ser saciada. 

A tendência natural é buscar no companheiro(a) a completude, e é preciso muita atenção para não cair na tentação de colocar na correspondência do outro, a avaliação de nós mesmos, ou seja, entregar a chave do poder sobre nossa felicidade: - Se ele me amar é porque sou ótima, e se ele não me amar, é porque sou horrível! 

Vivemos em um permanente estado de culpa, consciente ou inconsciente de não sermos verdadeiramente o que exigimos que o outro seja, ou de não correspondermos às expectativas dos outros nem as nossas. No íntimo, nos sentimos uma fraude e reagimos de duas maneiras: ou projetamos a culpa no outro, ou nos castigamos através de mil esquemas de auto-sabotagem. 

Assim sendo, não nos sobra energia para aprendermos com nossos erros, e a responsabilidade sobre nossas escolhas fica esquecida. 

Também é preciso estar atento a outro grande inimigo da felicidade: o orgulho, um dos maiores responsáveis por nossos sofrimentos. Quando ele é tocado por palavras descuidadas a reação é imediata: revidamos imediatamente, provando ao atacante a sua inferioridade, ou nos sentimos menor, guardando cuidadosamente o ressentimento (re-sentindo varias vezes a mesma dor), nos envenenando com ele através do bloqueio da corrente energética do amor, esperando o momento da vingança. A competição destrutiva é a responsável por muitos amores abortados. 

Nessas horas é recomendável se perguntar: - O que é mais importante pra mim: ter razão ou ser feliz?
Muito se fala, desde as mais remotas civilizações, sobre o amor, mas historicamente sabe-se que muito poucos foram os atos condizentes com a palavra, seu significado, ou o sentimento a que se refere. A aceitação do diferente é a mais importante. 

A felicidade é construída pela valorização dos pequenos e simples instantes do cotidiano: a abelha não espera pelas orquídeas, nem pelas rosas para fabricar o seu mel; elas voam alegres ao encontro das pequenas flores do campo para adoçar a nossa vida...

(Revista VIVA)

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Para sua inspiração no DIA DOS NAMORADOS...

Seja para colocar no seu cartão de amor, para declarar ao seu amado durante a entrega de um presente ou simplesmente para se inspirar com frases lindas sobre o amor e sobre a união de duas pessoas. Com certeza uma dessas dicas estará na medida de sua necessidade. Aproveite!! E um FELIZ DIA DOS NAMORADOS p/ voce!


                                               

Soneto de Fidelidade
De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
Vinícius de Moraes

As sem-razões do amor
Eu te amo porque te amo,
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.

Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.
Carlos Drummond de Andrade


Cinco coisas
Quero apenas cinco coisas. / Primeiro é o amor sem fim / A segunda é ver o outono / A terceira é o grave inverno / Em quarto lugar o verão / A quinta coisa são teus olhos / Não quero dormir sem teus olhos. / Não quero ser... sem que me olhes. / Abro mão da primavera para que continues me olhando.
Pablo Neruda


Soneto do Amor Total
Amo-te tanto, meu amor ... não cante
O humano coração com mais verdade ...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.
Vinícius de Moraes 




Amor é um marco eterno
De almas sinceras a união sincera
Nada há que impeça: amor não é amor
Se quando encontra obstáculos se altera,
Ou se vacila ao mínimo temor.
Amor é um marco eterno, dominante,
Que encara a tempestade com bravura;
É astro que norteia a vela errante,
Cujo valor se ignora, lá na altura.
Amor não teme o tempo, muito embora
Seu alfange não poupe a mocidade;
Amor não se transforma de hora em hora,
Antes se afirma para a eternidade.
Se isso é falso, e que é falso alguém provou,
Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.
William Shakespeare


Amor em paz
Eu amei
Eu amei, ai de mim, muito mais
Do que devia amar
E chorei
Ao sentir que iria sofrer
E me desesperar

Foi então
Que da minha infinita tristeza
Aconteceu você
Encontrei em você a razão de viver 
E de amar em paz
E não sofrer mais
Nunca mais
Porque o amor é a coisa mais triste
Quando se desfaz
Vinícius de Moraes


Soneto do amor maior
Maior amor nem mais estranho existe
Que o meu, que não sossega a coisa amada
E quando a sente alegre, fica triste
E se a vê descontente, dá risada.

E que só fica em paz se lhe resiste
O amado coração, e que se agrada
Mais da eterna aventura em que persiste
Que de uma vida mal aventurada.

Louco amor meu, que quando toca, fere
E quando fere vibra, mas prefere
Ferir a fenecer - e vive a esmo

Fiel à sua lei de cada instante
Desassombrado, doido, delirante
Numa paixão de tudo e de si mesmo.
Vinícius de Moraes