domingo, 16 de novembro de 2008


RETRATO DE LAUDICE VON GLEHN

É com imensa honra e orgulho que lhes apresento o retrato de uma grande dama : Laudice Von Glehn - esposa do Barão Peter Von Glehn (in memorian)
Terminei de pintar esse retrato no dia 12/11/2008 e minha ansiedade em entregá-lo antes do Natal foi tão grande que mandei emoldurá-lo no dia 13/11 e no dia 14 o levei até Frutal/MG, onde ela mora, e o entreguei.

Vê-la alí, estática diante do retrato, com as mãos cruzadas sobre o queixo, olhinhos arregalados, foi muito, muito marcante. Tão marcante e emocionante essa visão que eu chorei... Havia três anos que eu lhe prometera pintar seu retrato mas, só agora me foi possível cumprir a promessa.

O castelo que está acima de sua cabeça, meio que "envolto em brumas e magia", é real: trata-se do castelo Glehn, na Estônia , e foi nele que meu padrinho Peter Von Glehn viveu até que estourou a grande guerra e a família teve que deixar p/ trás sua vida burguesa, seu castelo, seus bens, e fugir para o Brasil.

Laudice nunca esteve no castelo, razão pela qual coloquei-o no retrato, em homenagem ao meu padrinho, seu esposo, que com certeza sonhara um dia vê-la passear por seus jardins... Retratei o castelo pelo lado posterior  a fim de que a Bela Dama pudesse estar em seu lugar de direito na história: dentro dos domínios do castelo.

A Bela Dama hoje já não é tão jovem, mas, ostenta a mesma nobreza e dignidade no porte, nos atos, no caráter.

Missão cumprida!!

segunda-feira, 10 de novembro de 2008





Tecnologia do Abraço


O matuto falava tão calmamente, que parecia medir, analisar e meditar
sobre cada palavra que dizia...
- É... das invenção dos homi, a que mais tem sintido é o abraço.
O abraço num tem jeito di um só aproveitá!
Tudo quanto é gente, no abraço, participa uma beradinha...
Quandu ocê tá danado de sodade, o abraço de arguém ti alivia...
Quandu ocê tá cum muita reiva, vem um, te abraça e ocê fica até sem graça de continuá cum reiva...
Si ocê tá feliz e abraça arguém, esse arguém pega um poquim da sua alegria...
Si arguém tá duente, quandu ocê abraça ele, ele começa a miorá, i ocê miora junto tamém...
Muita gente importante e letrado já tentô dá um jeito de sabê purquê qui é, qui o abraço tem tanta tequinologia, mas ninguém inda discubriu...
Mas, iêu sei! Foi um ispirto bão de Deus qui mi contô...
Iêu vô contá procêis u qui foi quel mi falô:
O abraço é bão pur causa do Coração...
Quandu ocê abraça arguém, fais massarge no coração!...
I o coração do ôtro é massargiado tamém!
Mas num é só isso, não... Aqui tá a chave do maió segredo de tudo:
É qui, quandu nois abraça arguém, nóis fica cum dois coração no peito!...



(autor desconhecido)

sexta-feira, 7 de novembro de 2008


O que revela um Intestino Preso?
- Conceição Trucom -

(Fonte: www.docelimao.com.br)

Metafisicamente, a prisão de ventre pode revelar uma avareza para com a possibilidade de prosperidade e expansão da própria vida. Inclusive, é comum que pessoas que apresentam constipação crônica, tenham dificuldade de aprendizado e resistência para aceitar desafios.

Bem, comecemos pelo entendimento desta Fisiologia. A digestão humana completa requer cerca de 30 horas. Após deixar o estômago, o alimento penetra no duodeno (primeira parte do intestino delgado) e se move lentamente, até passar pelo jejuno e íleo (partes intermediária e distal do intestino delgado respectivamente), e alcançar o cólon (parte do intestino grosso), cerca de 24 horas após a ingestão.

No intestino delgado os “agentes químicos” transformam os alimentos em unidades elementares aproveitáveis (construtoras ou nutridoras) do organismo. Este caminho digestivo do ser humano mede cerca de 10 metros, com cada porção desempenhando um papel específico, na complexa tarefa de assimilação dos alimentos ingeridos. Este trajeto é relativamente longo para um mamífero, característica, aliás, própria dos herbívoros. Isso significa que uma alimentação baseada em vegetais é a mais adequada aos intestinos do homem.

Entretanto, se o alimento ingerido contém substâncias construtoras e nutritivas ou não, a mobilização energética para realizar todo o trabalho digestivo poderá ser assim:

a) Consumindo pouca energia em prol de elevado grau de nutrição, além de fácil excreção ou,
b) Consumindo muita energia em prol de baixo ou zero grau de nutrição, complicada pela dificuldade de excreção.

No caso “a” o saldo energético será positivo. Elevada vitalidade e produtividade, ou seja, saúde com energia de sobra para realizar projetos e alcançar metas. No caso “b” irá faltar energia construtiva e nutritiva. Acontecerá a intoxicação, baixa produtividade e na continuidade, a doença.

A progressão através dos intestinos é comandada por contrações musculares que recebem o nome de “movimentos peristálticos”, e estão sob o controle do sistema nervoso vegetativo. Freqüentemente ocorre uma deficiência nessa complexa ação mecânica e a massa alimentar permanece mais tempo do que deveria em cada trecho, transtornando todo o “trânsito” digestivo. Esse fenômeno ocorre com os que praticam os maus hábitos de vida, dando maior peso aos de vida sedentária e que se alimentam mal (baixo consumo de vegetais crus e integrais). O cólon fica “preguiçoso”, dilatado e incapacitado de cumprir bem as suas funções.

A prisão de ventre favorece a putrefação intestinal, com inevitável formação de gases. O longo tempo de permanência dos excretos (toxinas, impurezas e venenos) nos intestinos provoca a reabsorção dos mesmos pelas suas paredes, ocasionando uma intoxicação mais grave, podendo chegar a diferentes níveis de alergias, doença e até à morte.

Um intestino preso pode provocar as seguintes perturbações: infecções das vias urinárias (atenção especial às candidíases de repetição), infecções renais, infecções intestinais, problemas glandulares (tireóide, mamas, ovários, etc.), dificuldades circulatórias, digestivas, cutâneas, nervosas e finalmente mentais.

Segundo o professor Arnold Ehret, criador de uma dieta baseada na ingestão exclusiva de frutas, a doença é entre outras coisas uma tentativa desesperada do organismo para se livrar dos seus lixos tóxicos. Ele realizou pesquisas fantásticas sobre o uso do jejum regular e percebeu surpreso que as pessoas que permaneciam 20 dias sem ingerir qualquer alimento ainda expeliam fezes. Ele afirma que “o indivíduo de porte médio tem ao redor de 4-5 quilos de fezes sem eliminar, que envenenam continuamente sua circulação sangüínea, portanto, todo o organismo”.

O propósito de uma vida saudável (em todos os níveis de consciência) é ser cúmplice da sua harmonia metabólica: nutrir sadia e desintoxicação DIÁRIA. E é nos intestinos que tal fenômeno precisa acontecer de forma efetiva e rápida. No intestino delgado decide-se o que irá para a corrente sangüínea como nutrição e o que não passa pelo crivo deste sistema de seleção irá seguir seu caminho para o intestino grosso e posterior excreção na forma de fezes.

Na verdade, o intestino delgado é considerado pela Medicina Tradicional Chinesa (MTC) como um cérebro, uma central de inteligência "orgânica", onde se decide o que irá perpetuar a vida e o que irá ser eliminado, aliviando o organismo destes excretos e toxinas. Este é o motivo pelo qual a MTC valoriza tanto o pleno funcionamento deste sistema excretor. Lembrando que os mesmos maus hábitos que intoxicam o fígado também causam dificuldades aos intestinos.

Metafisicamente falando, um intestino preso revela uma recusa em largar velhas idéias, crenças ou emoções. Apego ao passado. Pode revelar um medo de abandonar o conhecido em prol do desconhecido. Este "medo" é até natural pois o novo costuma ser assustador, incerto. Entretanto ele não pode paralisar um processo que é natural: o crescer, o evoluir, o transformar-se. E para crescer, como no caso da lagosta, precisamos abandonar as velhas cascas, por mais seguras que sejam, para permitir uma versão mais crescida, mais confortável do Ser.

Um intestino preso pode revelar também uma avareza para com a possibilidade de prosperidade e expansão da própria vida. Inclusive, é comum que pessoas que apresentam constipação crônica, tenham dificuldade de aprendizado e resistência para aceitar desafios.

Cuidados de bom senso:

- Praticar uma dieta rica (50% mínimo) em alimentos do reino vegetal crus, frescos, integrais, com elevado teor de fibras e substâncias antioxidantes, logicamente isentos de agrotóxicos.

- Praticar em jejum e intervalos das refeições principais os sucos da Alimentação Desintoxicante.

- Fazer uso de chás desintoxicantes. Consumir diariamente cerca de 6-8 copos de líquidos entre sucos, chás e água.

- Ao despertar, antes de levantar, aproveitar para massagear carinhosamente a face, as palmas das mãos e o ventre com movimentos circulares. Sente na cama e massageie as pernas e sola dos pés. Nestes 5-10 minutos acontecerá um "despertar" estimulante de todo o sistema hepático, digestório e excretor.

- Praticar caminhadas matinais diárias - 30 minutos ou até transpirar - para estimular a desintoxicação geral e os movimentos peristálticos e,

- Dar-se tempo para ir ao banheiro com calma todas as manhãs ao levantar-se. Aproveite, enquanto espera, para conversar com seus apegos e medos. Acalmá-los, com gratidão, diante da iminente despedida!

(Conceição Trucom é química, cientista, palestrante e escritora sobre temas voltados para a alimentação natural, bem-estar e qualidade de vida.

Recomenda-se a leitura na íntegra do livro Alimentação Desintoxicante - editora Alaúde, o que possibilitará a prática desta filosofia de vida com consciência e responsabilidade).

sábado, 1 de novembro de 2008


QUER UM ABRAÇO ?
(Por Thays Biasetti)

Fonte: http://eyoga.uol.com.br/scripts/materia/materia_det.asp?idArea=1&idCanal=1&idmateria=999

Há dias em que tudo que você precisa é de um abraço. Parece que se alguém abraçar você, os problemas vão sumir e tudo ficará mais fácil. E existe uma razão para gostar tanto desse ato de carinho. Pesquisas comprovaram que o toque pode melhorar o humor, as emoções e até a saúde.

Um estudo feito com cem casais pela Universidade da Carolina do Norte mostrou que o abraço diminui os efeitos ruins do estresse, abaixa a pressão, diminui a freqüência cardíaca e aumenta os níveis de hormônios de prazer. Durante a pesquisa, 50 casais foram instruídos a assistir a filmes relaxantes de mãos dadas e darem um abraço depois da exibição. Os outros 50 não deveriam ter nenhum contato durante o vídeo. No final, os casais que haviam tido contado físico estavam com a pressão arterial e a freqüência cardíaca mais baixas do que aqueles que não tinham se tocado. Além disso, os níveis de cortisol, hormônio do estresse, estavam mais baixos e os de serotonina e oxitocina eram maiores. Por isso, a sensação de abraçar alguém é tão boa, já que esses hormônios são responsáveis pela felicidade e o prazer.

Toque de bem-estar
A pele do corpo possui mais de 5 milhões de terminações nervosas. Uma grande parte desses terminais está localizada nas mãos. Qualquer tipo de toque ou carícia é capaz de liberar os hormônios do bem-estar e tranqüilizar a pessoa. Como o abraço é um toque em que há contato de uma área bem abrangente do corpo, os benefícios são potencializados.

O psicólogo José Henrique Volpi, diretor do Centro Reichiano, de Curitiba, afirmou que essa melhora na saúde acontece por causa do efeito positivo dos hormônios de prazer no corpo. “Quando abraçamos, temos uma situação de expansão do corpo e acontece a liberação de hormônios, que promovem uma sensação de bem-estar. Quando esses hormônios estão em níveis elevados, somos mais felizes e temos mais saúde”, disse.

Além da relação com a saúde, abraçar tem o efeito de aproximar as pessoas. “O abraço é um sinal de aconchego e de aceitação. Se você abraça alguém, você demonstra que está aberto a ela”, comentou José Henrique.

A escritora Kathleen Keating, autora do livro “A Terapia do Abraço”, acredita que o mundo esteja sofrendo de solidão. “A tecnologia moderna é importante, mas todo ser humano precisa de carinho físico”, comentou. Se a vida corrida e a virtualidade das relações têm afetado o psicológico, não hesite em abraçar as pessoas que estão, emocionalmente, próximas.

Esse toque de pele vai criar cumplicidade e estreitar os laços de afeto, fazendo você se sentir menos sozinho e desamparado, e acreditar que sempre existe alguém para ajudar ou consolar quando precisar de um conforto. “O abraço também passa uma sensação de proteção. De que se algo acontecer, você está protegido por essa pessoa”, explicou o psicólogo. A escritora acredita firmemente que o abraço é um eficaz remédio contra vários males. “Existe algo poderoso em nossos braços, mãos e dedos que faz alguém se sentir amado e cuidado com um simples abraço”, disse a escritora.

Abrace o mundo
Os efeitos terapêuticos do abraço não são privilégio de casais, pessoas deprimidas ou doentes. Qualquer um pode ser beneficiar desse ato de intimidade. Kathleen afirma que todo mundo deveria praticar o abraço com mais freqüência. “A terapia do abraço não é apenas para os solitários ou para pessoas emocionalmente machucadas. Ela pode tornar mais saudável quem já é saudável, mais feliz quem já é feliz e fazer com que a pessoa mais segura entre nós se sinta ainda mais segura”, disse.

Para conseguir os efeitos de um bom abraço, não é necessário ter um companheiro para isso. Você pode testar o efeito na saúde abraçando todos que conhece. E não precisa ser somente pessoas. Vale também dar um aperto no bicho de estimação ou, em último caso, no travesseiro. Mas se conseguir abraços de amigos, familiares e amores, o benefício será comprovadamente maior. E o efeito recíproco também é benéfico. Abraçar alguém que esteja precisando, pode ajudar, e muito, a pessoa.

Curta um bom abraço
Mas nem todo mundo gosta do toque humano. “O mundo está sofrendo de falta de abraço. A dificuldade de recebê-lo é resultado de uma educação sem contato físico. As pessoas estão se abraçando pouco, porque foram pouco abraçadas”, alertou o psicólogo de Curitiba. Se você não gosta muito de ser abraçado, tente mudar o jeito de ver as coisas. “Para quem não gosta desse contato, é muito difícil receber um abraço. Mas tudo na vida é prática. Portanto, pratique. Abrace as pessoas e você vai perceber como é bom receber esse carinho”, finalizou José Henrique.