quarta-feira, 30 de setembro de 2009

PROFISSIONAIS LIBERAIS: PRECISAM-SE !!


Grandiosa obra de renovação do mundo precisa urgentemente de profissionais liberais diversos para as seguintes funções:

Engenheiros - que edifiquem pontes para aproximar mais as pessoas entre si, na construção da verdadeira fraternidade.

Advogados - para que defendam as causas da justiça e do bem.

Psicólogos - com grande poder de penetração no complexo mundo interior das criaturas para que consigam ajudar, de maneira direta e simples, as pessoas a se relacionar entre si e a viver em paz. Especialmente as que vivem sob o mesmo teto, nos agrupamentos familiares.

Dentistas - que, melhorando o aspecto bucal dos pacientes, consigam descontrair-lhes também a face e estimulá-los a sorrir. Sorrir sempre, a fim de amenizar as tensões da vida.

Professores - de todas as matérias, que saibam promover a formação integral da personalidade dos novos habitantes que diariamente aparecem no cenário do mundo, através dos renascimentos. Que levem em conta a formação moral dos educandos, com a base do Evangelho de Jesus, para o pleno desenvolvimento do ser.

Cirurgiões - para extirpar do íntimo do homem, sem lhe mutilar o ser, as raízes do mal que ali ainda insistem em habitar.

Economistas - que, além de resolver devidamente os problemas de ordem material da coletividade, sejam capazes de fazer ver ao homem que as questões relacionadas com o abastecimento, produção e distribuição de bens e serviços são o mais elementar dos desafios da evolução. Que interesses mais altos esperam por suas iniciativas, como seja o aperfeiçoamento do saber, o vasto mundo da arte etc.

Enfermeiras dedicadas - que saibam tratar não somente das lesões do corpo, como também amparar os acidentados da alma, os que se envolveram nos lamentáveis sinistros do ódio, da paixão arrasadora, do egoísmo, dos atritos, dos vícios, de modo a corrigir com paciência e amor as causas dos desequilíbrios humanos.

Todos esses profissionais e quaisquer outros trabalhadores sinceros serão prontamente admitidos, no maior número possível, na grande obra de preparar uma nova civilização, onde sejam reais as palavras felicidade, justiça, prosperidade e paz.

***
Para realizar a obra de renovação do mundo, nenhum de nós precisa sair do local onde se encontra, nem se desvincular daqueles com quem convive.
Todos os percalços e entraves que porventura encontremos na família, no local de trabalho, devem simplesmente constituir estímulo para que trabalhemos mais depressa, a fim de abreviar o advento da nova era de paz e harmonia, fraternidade e beleza que todos aguardamos.



Fonte: (Jornal Mundo Espírita - janeiro de 1992, Profissionais Liberais: precisam-se! - artigo de Lauro F. Carvalho)

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

NA VIDA PROFISSIONAL NÃO SE DEVEM FAZER INIMIGOS...

(Max Geringer)


Nas relações humanas no trabalho, existem apenas 3 regras:




Regra 1:

Colegas passam, mas inimigos são para sempre. A chance de uma pessoa se lembrar de um favor que você fez a ela vai diminuindo à taxa de 20% ao ano. Cinco anos depois, o favor será esquecido. Não adianta mais cobrar.

Mas a chance de alguém se lembrar de uma desfeita se mantém estável, não importa quanto tempo passe.

Exemplo: se você estendeu a mão para cumprimentar alguém em 1997 e a pessoa ignorou sua mão estendida, você ainda se lembra disso em 2009

Regra 2:

A importância de um favor diminui com o tempo, enquanto a importância de uma desfeita aumenta. Favor é como um investimento de curto prazo. Desfeita é como um empréstimo de longo prazo. Um dia, ele será cobrado, e com juros.
Regra 3:
Um colega não é um amigo. Colega é aquela pessoa que, durante algum tempo, parece um amigo. Muitas vezes, até parece o melhor amigo, mas isso só dura até um dos dois mudar de emprego. Amigo é aquela pessoa que liga para perguntar se você está precisando de alguma coisa.

Ex-colega que parecia amigo é aquela pessoa que você liga para pedir alguma coisa, e ela manda dizer que no momento não pode atender.

Durante sua carreira, uma pessoa normal terá a impressão de que fez um milhão de amigos e apenas meia dúzia de inimigos.
Estatisticamente, isso parece ótimo, mas não é. A "Lei da Perversidade Profissional" diz que, no futuro, quando você precisar de ajuda, é provável que quem mais poderá ajudá-lo é exatamente um daqueles poucos inimigos. Portanto, profissionalmente falando, e pensando a longo prazo, o sucesso consiste, principalmente, em evitar fazer inimigos.

Porque, por uma infeliz coincidência biológica, os poucos inimigos são exatamente aqueles que têm boa memória.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

PRIMAVERA...


(por Sandra Hasmann)

Nesse dia 21 de setembro, juntinho com a chegada da Primavera, minha netinha Marcella completou 13 anos, e ao vê-la assim, tão linda, desabrochando nesses treze anos de vida, cheia radiância, sonhos, explendor e alegria, não posso deixar de compará-la a uma flor...É isso, na verdade somos flores, todos nós, semeadas pelas mãos de um Criador Perfeito e Amoroso, que traçou para cada um de nós um plano, um propósito, com muito, muito amor, e deu-nos como morada esse lindo Planeta Azul, exuberante, provavelmente o mais perfeito e bonito entre todos existentes nas inúmeras galáxias dessa infinita criação de Deus, e isso é prova de amor, de confiança...

Hoje, no outono de minha existencia, brindo com cada um de vocês a chegada dessa belíssima estação à vida de Marcella e de cada um de vocês, companheiros e companheiras de viagem nessa mágica e maravilhosa jornada chamada VIDA, gerada a partir do ventre dessa Mãe paciente e generosa chamada TERRA, que mesmo tão ferida e violentada por nós, ainda nos oferece tanta beleza e manancial de vida!! Nossa "nave-mãe" está em vias de agonia, e se não fizermos algo por ela, em breve estaremos "órfãos", e se isso acontecer, deixaremos de existir junto com ela.

Que essa primavera faça brotar em nós uma maior consciencia acêrca de quem realmente somos e do que somos capazes quando movidos pelo amor e pela fé nesse Deus que, apesar de tudo, não desiste de nós...
_________________________________________________________________________________

Sol De Primavera

(Beto Guedes / Ronaldo Bastos)


Quando entrar setembro e a boa nova andar nos campos
Quero ver brotar o perdão onde a gente plantou juntos outra vez
Já sonhamos juntos semeando as canções no vento
Quero ver crescer nossa voz no que falta sonhar
Já choramos muito, muitos se perderam no caminho
Mesmo assim não custa inventar uma nova canção que venha nos trazer
Sol de primavera abre as janelas do meu peito
A lição sabemos de cor, só nos resta aprender

Quando entrar setembro e a boa nova andar nos campos
Quero ver brotar o perdão onde a gente plantou juntos outra vez
Já sonhamos juntos semeando as canções no vento
Quero ver crescer nossa voz no que falta sonhar
Já choramos muito, muitos se perderam no caminho
Mesmo assim não custa inventar uma nova canção que venha nos trazer
Sol de primavera abre as janelas do meu peito
A lição sabemos de cor, só nos resta aprender

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

"UM MEIO OU UMA DESCULPA"




(Por ROBERTO SHINYASHIKI)


Não conheço ninguém que conseguiu realizar seu sonho, sem sacrificar feriados e domingos pelo menos uma centena de vezes.

Da mesma forma, se você quiser construir uma relação amiga com seus filhos, terá que se dedicar a isso, superar o cansaço, arrumar tempo para ficar com eles, deixar de lado o orgulho e o comodismo.

Se quiser um casamento gratificante, terá que investir tempo, energia e sentimentos nesse objetivo.

O sucesso é construído à noite! Durante o dia você faz o que todos fazem, mas, para obter um resultado diferente da maioria, você tem que ser especial. Se fizer igual a todo mundo, obterá os mesmos resultados.

Não se compare à maioria, pois, infelizmente ela não é modelo de sucesso.

Se você quiser atingir uma meta especial, terá que estudar no horário em que os outros estão tomando chope com batatas fritas.

Terá de planejar, enquanto os outros permanecem à frente da televisão.

Terá de trabalhar enquanto os outros tomam sol à beira da piscina.

A realização de um sonho depende de dedicação, há muita gente que espera que o sonho se realize por mágica, mas toda mágica é ilusão, e a ilusão não tira ninguém de onde está, em verdade a ilusão é combustível dos perdedores, pois...


Quem quer fazer alguma coisa, encontra um MEIO...
Quem não quer fazer nada, encontra uma desculpa!


PENSE BEM NISTO!...

ERROS MORTAIS NO CURRÍCULO

(*Por Luís Sérgio Lico e Márcia Cristina Vasconcelos )





Na maioria dos casos, uma leitura atenta do perfil e exigências para a vaga já indica o que você deve ou não fazer


Imagine a seguinte situação: Você acabou de redigir um ou mais currículos e agora precisa divulgar o material. Nestes tempos virtuais, correio é a última opção. Sem muita grana para cartuchos de tinta, envelopes e selos, a opção mais em conta é mandar por email. Ótimo, vamos baixar listas, freqüentar fóruns, grupos de discussão, sites e garimpar emails. Quanto mais network, melhor.
O problema é que parece que ninguém liga para o que você envia, mesmo se o cargo está à altura de suas qualificações. Milhares de envios e nada... Muita gente, simplesmente não sabe o que fazer nestas horas, mas nem tudo é culpa do selecionador. Nem o mercado é tão cruel como parece.

Para bom entendedor, meia palavra basta. Pensando nisto, eu faço uma pergunta direta: Você deseja continuar a Não ser chamado para entrevistas e manter-se desempregado? Quer continuar a ser solenemente ignorado? Então, siga as instruções quando enviar um email com seu currículo:

1 – Outlook/Express: No campo "Assunto", temos um pacote com várias opções:
1) Deixe em branco
2) Nunca coloque o código da vaga. (Eles não sabem o que anunciam? Prá que esta chatice...)
3) Coloque Envio de CV (se há vaga por que alguém imaginaria que você está enviando o cv ?)
4) Coloque seu nome e clique no ícone: urgente.
5) Repasse com o título do anúncio, exemplo: Várias Vagas, Re: abertura de vaga em Campinas...
6) Arranje um título inédito: "Em Busca de Nova Oportunidade", "Pronto para Desafios" etc.

2 – A Carta de Apresentação:
1) Mesmo que esteja explicado no anúncio que não é necessária carta de apresentação, insista. Escreva uma e anexe ao currículo, os selecionadores têm muito tempo para ler. Faça de tudo para ela ser longa e redundante, quer dizer: não se incomode em repetir, para dar aquela ênfase.
2) Se a carta for obrigatória, tome cuidado dobrado: Escreva bastante e com formalidade, usando e abusando de jargões tipo: Outrossim, deveras, epígrafe, conforme entendimentos telefônicos mantidos e outros bichos. Não se esqueça que o fecho é importantíssimo e capriche: reitere seus protestos de elevada estima e consideração, coloque-se ao seu total dispor e vai por aí. Seja criativo!

3 – No corpo do Currículo, no campo "Objetivo", utilize este menu com várias opções:
1) Coloque esta pérola: "À disposição"
2) Especifique várias áreas: Logística, Administrativa, Marketing, Atendimento, Operacional (Isso! Quanto mais melhor, afinal, mostra a sua grande versatilidade).
3) Coloque vários cargos: Operador, Gerente, Professor, Analista, Pedreiro (uma hora você acerta!)
4) Pode também contar um pouco sobre você, lógico que usando uma linguagem bem coloquial: Tipo: " Estou batalhando pra caramba", "preciso de um trampo", "Pau para toda obra"
5) Preencha com o que o mercado quer ouvir: "Superar as expectativas", "Comprometimento".
6) Use de sinceridade total: "Quero trabalhar"

4 - Idiomas:

1) Se você não fala nada, coloque que seu nível de inglês é básico.
2) Se você já passou da fase "the book is on the table", coloque que seu inglês é intermediário.
3) Se já consegue ler embalagem de shampoo e letras de música, coloque nível avançado. Afinal, pode-se sempre usar o embromation na entrevista. Reze para o selecionador não ser fluente, senão você perdeu o seu tempo e o dele, além é lógico, da vaga, mas o que é o tempo? Sai zica!

5 - Pretensão Salarial:

1) Mesmo que pedida, omita. Afinal para que colocar pretensão salarial, se eu não sei quanto pagam? Só por que os currículos sem ela são deletados? Tem que ter fé e otimismo.
2) Coloque o valor, pelo porte da empresa. Multinacional paga mais. Não tenha dó e cobre caro!
3) Peça o mínimo indispensável para não morrer de fome (depois passe o ano pedindo aumento)

6 - Envio de Currículos sem Solicitação:
1) Ignore o link Trabalhe Conosco, afinal eles nunca acessam este banco de dados.
2) Baixe listas e emails do Emule ou ETorrent e incorpore em você um spammer. Hahahaha!
3) Passe o dia fuçando a rede em busca de alguém para enviar seu currículo. (Não importa quem)
4) Descubra o email de um funcionário, preferivelmente do RH e enviei muitas, muitas, muitas vezes (mesmo) o seu currículo. (Pense positivo: se ele decorar seu nome provavelmente será chamado para uma vaga, no mínimo uma entrevista.)
5) Panfletagem de currículo é besteira, afinal você precisa ou não trabalhar? Envie massivamente.
6) Medite nesta verdade: Todas as pessoas adoram ficar com suas caixas postais lotadas.
7) Discuta em fóruns e com quem enviou vagas para você, por mínimos erros encontrados.

7 - Seu Endereço de Email:

1) Você ama aquele endereço que criou quando completou 15 anos? Continue enviando seus currículos com ele, quem não vai adorar? São bem apropriados: chupacabra@... Deusalora@... Euquerovc@... Locao2007@... Domingueira@... Barbyrosa@... Noisnafita@... e outros tão bons! Coisa de marketing. Entende? Fixar bem a marca é essencial.
2) Só abra sua caixa postal aos domingos, assim você economiza acesso discado.
3) Anexe o endereço dos selecionadores à sua lista. (Assim, pode enviar correntes, piadas, PPTs e isto vai manter certa proximidade.)

8 – Envio de Fotos
1) Se o anúncio pedir fotos, é hora de destacar-se. Traje social é fora de moda. Se a firma for muito chulé e precisar deste anacronismo, capriche na estampa colorida da gravata. (Mickey é ótima!)
2) Economize com foto digital. Use aquela das férias, de short ou a do aniversário de sua sobrinha, você fica tão bem de chapeuzinho de festa...
3) Abuse do Photoshop para criar efeitos especiais. Impressione! (homenagem a Michael Jackson)
4) Gaste o que puder no design da barba e bigode, quanto mais firula e caminho de rato, melhor.
5) Inove. Mire-se no exemplo do Jô Soares. Misture listras e bolinhas com xadrez (Chique paca!)
6) Não esconda o alargador de orelhas nem os piercings. Você tem que parecer autêntico!

Não vamos (por enquanto) completar as "10 dicas de sucesso" para você continuar sendo um profissional invisível. Acorde e faça as coisas direito. O primeiro passo para isso é deixar de ficar zonzo com a situação e tomar a atitude mais sensata. Na maioria dos casos, uma leitura atenta do perfil e exigências para a vaga já indica o que você deve ou não fazer.

(FONTE: http://www.dicasprofissionais.com.br/dicas)

quinta-feira, 17 de setembro de 2009



-por Henrique Amaral-
(Fonte: http://www.institutoprogredir.com.br)

Vivemos num mundo de conflitos. Diariamente confrontamos nossos interesses com amigos, colegas, familiares, companheiros, etc. É inútil fugirmos dos conflitos ou fazer de conta que eles não existem, pois indubitavelmente eles estarão lá corroendo nossos planos, aspirações e nossa felicidade.

Dentro de uma organização não é diferente. A todo momento e em todos os níveis, verificamos situações por vezes inacreditáveis de conflito, iniciando às vezes entre os próprios sócios, se estendendo até os funcionários de escalão mais baixo.

Se estes conflitos não forem bem geridos, individual ou coletivamente, os prejuízos podem ser grandes ou até irreparáveis em determinadas situações. Meu objetivo neste texto é introduzir uma pitada de algo tão antigo, mas ainda e sempre tão atual: o perdão.



Não há nenhum conflito que não possa ser desfeito desde que se utilize a essência mais pura do perdão. Organizações não se conflituam, nem mesmo departamentos ou até mesmo nações. Quem se conflituam são as pessoas que ocupam posições nestas instituições.

Basta, portanto, dedicarmos um pouco de tempo a trabalhar nossa percepção interior, transformando conseqüentemente nossa visão exterior. Este artigo se propõe ser o início de uma reflexão mais abrangente da origem, desenvolvimento e solução de conflitos pessoais e organizacionais.


CONFLITOS PESSOAIS E ORGANIZACIONAIS


Como falei a pouco, são as pessoas que se conflituam, se atritam, se desarmonizam. Portanto a chave para a solução de conflitos entre organizações reside nas pessoas envolvidas no fato.



É claro que é muito difícil tecer generalizações porque cada pessoa traz dentro de si um universo único e individual. Mas algumas conclusões são possíveis dentro de tão subjetivo assunto.

As organizações são fontes constantes de conflitos. Sócios podem se desarmonizar por causa de idéias e estratégias diferentes. Funcionários de departamentos diferentes podem se conflitar por possuírem interesses diferenciados, causados muitas vezes por decisões estratégicas contraditórias. Também funcionários do mesmo departamento podem disputar funções, beleza e atenção. Todos estes são conflitos internos.

Há ainda os conflitos externos, entre a organização e seus clientes, seus fornecedores ou seu ambiente. Também vale citar os conflitos de classes, a tão antiga divergência entre a classe de patrões e empregados.

Mas perceba bem que todos estes conflitos têm como personagens centrais meras pessoas reais e comuns, com famílias, vivências, sonhos, expectativas e dramas. Vou aproximar a lente de nossa análise e chegar até o cerne desta questão: o indivíduo como ser relacional, mutável, mas felizmente muito adaptável.


OBJETIVOS DA GESTÃO DE CONFLITOS


Os conflitos, quando não bem geridos, podem causar prejuízos incalculáveis. Muitas organizações já deixaram de existir em nossa história devido a conflitos internos ou externos gerados pelos mais variados fatores.

O objetivo principal da gestão de conflitos é minimizá-los, transformar contendas destrutivas em oportunidades de melhoria e crescimento pessoal e organizacional.

Os conflitos são extremamente necessários para nosso crescimento e também para a empresa na qual estamos inseridos. Entretanto, não podem chegar às raias da auto-destruição, momento no qual eles se tornam danosos a todos os envolvidos.

A maior parte dos grandes avanços, individuais ou coletivos, surgiu de conflitos. Não é necessário mergulhar no abismo de tristezas só porque se está dentro de uma situação de desarmonia. Pelo contrário. Diga “Ótimo! Sou a pessoa mais indicada para resolver esta situação. E mais, vou ainda tirar muito proveito dela.”

Esta é a essência da gestão de conflitos. Fazer do limão uma limonada. Transformar conflito em crescimento. Sugar da fonte da contenda o néctar para o aprimoramento constante. Porque existe algo que podemos generalizar: toda situação de conflito mostra algo que estávamos escondendo ou deixando de lado, um aspecto nosso que precisava mudar, precisava evoluir. O conflito é o instrumento que a natureza colocou em suas mãos para que se efetue a transição de uma situação não satisfatória para uma ainda mais íntegra e universal.


O CONFLITO TEM ORIGEM INTERIOR


Antes de chegar ao ponto central deste artigo, vamos analisar bem a origem de todo conflito, seja qual for a proporção dele.

A maior parte das pessoas “inteligentes” possui um senso crítico muito aguçado. Conseqüentemente, possuem habilidades incríveis para perceberem defeitos, falhas e lacunas nas outras pessoas. O desenvolvimento deste sentimento crítico é extremamente nocivo a seu proprietário. É muito bom ter uma percepção aguçada, conseguir enxergar longe, o que as pessoas comuns não conseguem enxergar. Porém, esta propriedade não deve servir para perceber defeitos nas outras pessoas, pois isto se torna uma porta aberta para a confusão.

E é aí que reside a origem dos conflitos. Quando passamos a ver o outro como agente maléfico ou nocivo a nós mesmos ou a algo que tenhamos interesse, este indivíduo passa a ser visto como um inimigo ao qual começamos a delinear sentimentos de repulsão ou medo.

Mas o mais interessante de tudo isso é que só conseguimos enxergar defeitos nos outros que na realidade possuímos dentro de nós. Alguém pode dizer: “mas como assim?” “vejo que fulano é realmente uma pessoa má, mas eu não sou assim.”.
É tudo uma questão de modelos interiores. Somente pessoas sensíveis conseguem apreciar uma obra de arte na sua íntegra porque há uma sintonia entre a obra e os modelos particulares delas. Em relação às pessoas, a situação se repete: só conseguimos ver defeitos os quais na verdade os possuímos na forma de modelos dentro de nós mesmos.

Por que será que alguns conseguem levar uma vida sem grandes temores e outros vivem aterrorizados pelo porvir? Simples, de novo nos remetemos aos modelos interiores.

Exemplificando. Uma pessoa que foi rejeitada muitas vezes, ou pelos pais ou pelos seus relacionamentos afetivos, tende a abrir a guarda toda vez que sente que possa ser rejeitada novamente. Uma pessoa que teve muitas perdas, sejam financeiras ou emocionais, tende a recear novas perdas, vendo em cada personagem um possível inimigo. Uma pessoa que teve sérios problemas com seu pai tende a transferir a seu superior (símbolo paternal subconsciente) todas as suas mágoas familiares reprimidas. Estes são apenas alguns dos infinitos exemplos que podem ser citados.

Entretanto, o que vale a pena compreender aqui é que todo e qualquer conflito tem seu ponto de partida em uma conceituação muito íntima. Embora nossos olhos nos confundam, assinalando que a agressão está vindo de nosso exterior, é o nosso interior que grita pela solução de um conflito já gerado no passado e não resolvido.

Bem, começamos aqui a engatinhar pelo caminho da solução dos conflitos. Mas ainda falta o passo decisivo e fundamental: o perdão.


QUANDO O PERDÃO ENTRA NA HISTÓRIA


Vale a pena assinalar que, ao entrarmos em um conflito, nos tornamos prisioneiros dele, perdemos completamente nossa liberdade natural, caímos na armadilha do nosso ego. Já não somos mais nós mesmos. Somos agora remetidos a nosso “eu passado”, projetando tristezas e recalques anteriores.

Já observamos a origem do conflito, o qual normalmente é trazido de nosso próprio bojo de experiências íntimas. Vimos como ele se desenvolve, ou seja, toma forma à medida que projetamos nos outros esses nossos traumas, crenças e medos. Pois bem, está na hora de avançarmos para o ponto principal deste artigo, ou seja, a gestão ou solução do conflito.

É importante compreender que nós não nascemos para sermos infelizes ou para vivermos em situações de desconforto. Nascemos sim para desfrutar uma vida íntegra, saudável e feliz. Você pode até vivenciar ou até aprender a conviver em conflito, mas sua consciência íntima o alertará que algo está errado, algo precisa ser mudado.

Gestão do conflito não significa aprender a conviver com ele, mas solucioná-lo e ainda gerar lucro pessoal e profissional com ele. Só quando isso acontecer é que se pode dizer que a gerência da situação teve sucesso.

Se observarmos no dicionário o significado de perdão, encontraremos palavras como absolvição, clemência, anistia, graça, indulto, remissão. Mas vale a pena compreender aqui a quem esta absolvição deve ser concedida.

Partindo do princípio de que nada vem do seu exterior, mas sempre do interior, o agressor passa a não ser mais seu agressor, mas seu professor. Professor no sentido de mostrar-lhe que está na hora de conceder a você mesmo a anistia do seu mais profundo ser, aprisionado em crenças equivocadas.

O primeiro passo do perdão é compreender que não está no outro a culpa, a responsabilidade ou o dolo. Está em você mesmo. Você é que não soube conduzir a situação ou, em análise mais profunda, a sua própria vida. Portanto, a gestão de conflitos acaba abrindo o caminho para a própria gestão de sua vida pessoal.
Após compreender que já não é responsabilidade do outro, mas minha, é hora de perdoar a si mesmo, por ter enxergado o algoz, o inimigo onde na verdade ele não estava. É hora de perdoar sua própria ignorância.


CASOS EXTREMOS


Existem casos extremos. Casos nos quais a pessoa precisa exercitar o perdão em último grau. Já orientei alguns casos de moças e rapazes que foram molestados sexualmente pelo próprio pai. O que pode ser pior? Como oferecer a clemência neste caso? É necessário desarmar o coração e nesta situação preenchê-lo com doses imensas de amor, que transborde até o coração do opositor.

Há ainda aquele outro caso do empresário paulista que teve seu filho seqüestrado, mantido em cativeiro, mutilado e por fim morto pelo seu amigo e chefe de segurança. Este caso foi reconhecido nacionalmente após este pai ter oferecido seu perdão ao seu opositor no programa Fantástico, da Rede Globo. Após tal evento, este pai criou uma fundação para combate a violência. Aqui podemos dizer que houve verdadeira e profundamente uma gestão de conflito cheia de sucesso.

Mas acredito verdadeiramente que os conflitos mais comuns não chegam nem perto de tais situações, felizmente. Veja bem, se é possível conceder a anistia até mesmo em casos extremos como os citados, por que não resolver o seu conflito? Por que adiar a solução de algo que possa estar lhe incomodando tanto?

Pois bem, chegou a hora de despir-se de seu ego. Quando falo aqui em ego, não estou falando no sentido psicanalítico, mas sim do conjunto de razões e princípios que tentamos aparentar pelos nossos conhecimentos, crenças, cargos exercidos, posições assumidas. Sim, é bom refletir agora mesmo também sobre isso. Verifique que todas as agressões que passou ou vem passando não são agressões a você em si, mas a seu ego. Você mesmo continua intacto, não perdeu sequer um milésimo de seu valor, foi seu ego que foi atingido.

Agora avançamos mais um passo para a solução do conflito. Após verificarmos que toda desordem vem realmente do seu interior, acabamos por descobrir que você continua com toda sua importância, mesmo parecendo derrotado ou humilhado algumas vezes. Descobrimos que quem foi derrotado foi seu ego, e não você. Bom saber disso, não é verdade?


ENTRE A DESCULPA E O PERDÃO


Muitas pessoas confundem o significado de desculpar e perdoar. Desculpar é apenas um estágio, ou melhor ainda, uma parte pequenina ainda do perdão.
Desculpar significa retirar a culpa. O prefixo “des” antecedendo a palavra “culpar” significa absolver o culpado. É como se entre você e seu oponente houvesse um obstáculo, uma contenda, e você simplesmente remove-o do caminho entre vocês dois. Isso parece resolver o conflito, mas na verdade não o resolve.

É simplesmente um paliativo. Anistiar a culpa do outro ainda não faz você se olhar no espelho e rever seus conceitos, solucionar seu passado, transformar-se numa pessoa melhor. Pelo contrário, só faz crescer seu ego. Você se coloca numa posição acima de seu adversário e diz: “pobrezinho, mesmo sendo tão errado, eu lhe desculpo.” Isso pode perfeitamente tapar seu sol com uma peneira, mas não por muito tempo. Tenha certeza que novos conflitos surgirão, sejam com o mesmo inimigo ou ainda outros. O modelo interior não foi corrigido. Seu ego não foi trabalhado.

Vamos agora analisar a palavra perdoar. Verifique a expressão contida no interior desta palavra: “doar”. Aqui vemos a chave da solução e também o conceito mais profundo do perdão. Significa que você precisa doar ao seu opositor. Parece coisa para um santo, mas não é, é coisa que você mesmo pode fazer. Quando pensar em doar, comece por si mesmo. Que tal doar um pouco mais de qualidade de vida a você mesmo. Já vimos antes que os conflitos acabam por aprisioná-lo, e isso é real. Não vale a pena se tornar prisioneiro de suas próprias desarmonias. Além disso, perceba que quem mais sofre na situação é quem não perdoa, e não o suposto atacante. Solte esse peso, libere as pessoas que vêm segurando em seu coração. Liberte o outro e a si próprio.

Pois bem, já que doou qualidade a seu próprio campo emocional, agora chegou a hora de oferecer um pouco ao seu oponente. Parece difícil, mas não é. Na verdade, tudo sempre é uma questão de treinamento. Todo mundo só pode doar aquilo que tem. Se seu agente conflitante só soube lhe oferecer imundícies, talvez seja só isso que ele tenha para oferecer. Reconheça que você não é igual a ele, pois possui coisas muito melhores a oferecer.

Sem entrar no mérito das questões éticas, recordo de uma cena de uma série na televisão em que uma amante recebe da verdadeira esposa um lindo embrulho contendo fezes em seu interior, como prova do repúdio à atitude da traidora. Esta, por sua vez, manda colher as flores mais lindas de seu jardim, preparando um lindo buquê, enviando-o de volta a sua opositora com um bilhete no mínimo interessante: “Estas flores são para o seu agrado, pois cada um manda aquilo que tem para oferecer.” Como disse, não gostaria de entrar no mérito da situação, mas apenas no ato em si. É bem provável que esta mulher tenha fisgado este marido por ter bem mais a oferecer do que a esposa legítima.


DISSOLVENDO TODOS OS CONFLITOS


Chegamos ao final deste artigo. Verificamos que o perdão, em seu conceito mais profundo, é a antiga e atual receita para dissolver todos os conflitos.

Este conceito pode ser aplicado em todos os tipos de contendas, do mais alto escalão ao mais baixo, do indivíduo mais intelectualizado ao menos provido de estudo, do mais generoso ao mais mesquinho.

Parece que eu virei seu jogo. Transformei seu agressor em seu professor. Rasguei seu papel de vítima, dando-lhe um novo papel: o de responsável. Se você chegou até este ponto deste artigo e já começa a refletir que talvez a causa do conflito esteja em você mesmo, atingi meu objetivo.

Não existem conflitos unilaterais, eles são sempre no mínimo bilaterais. Mas o melhor de tudo é saber que a chave da solução dos conflitos está dentro de você mesmo. Não são necessárias técnicas complexas, apenas um pouco de boa vontade e um coração cheio de amor.

Se detectarmos uma pequena sujeira em um copo com água, certamente não o beberemos. Mas uma grande sujeira no mar não nos impede de banharmo-nos nele. A questão não é o tamanho da sujeira, mas a quantidade de água. Assim também é num conflito. Não importa o tamanho do obstáculo, do defeito de seu opositor, importa é o tamanho do seu coração. Se ele for grande suficiente, certamente dissolverá todo o conflito.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

APRENDER MUSICA TRANSFORMA O CÉREBRO



Vários estudos já mostraram que o cérebro dos músicos é diferente: possui uma representação sensorial aumentada dos dedos, mais fibras ligando os dois hemisférios, maior capacidade de discriminação de sons. Mas permanece uma questão: o cérebro fica assim por causa do treinamento musical, ou será que são justamente as pessoas com essas características que têm mais chances de perseverar no treinamento e se tornarem musicistas?

Esta é a pergunta que Krista Hyde, da instituição canadense McGill University, e colaboradores queriam responder em um trabalho feito com crianças que, a partir dos 6 anos de idade, começaram a ter aulas semanais de piano – ou apenas tinham aula de educação musical na escola, sem aprender um instrumento. Testes comportamentais e exames de imagem do cérebro foram realizados antes do aprendizado e quinze meses depois: haveria mudanças no cérebro das que aprendiam a tocar piano que as demais crianças não mostrariam?

A resposta foi claramente positiva: em comparação com o grupo controle, as crianças que aprendiam a tocar piano tiveram um aumento significativo do tamanho do córtex motor, do córtex auditivo e do corpo caloso na região, que reune as fibras que conectam os dois hemisférios (necessárias, por exemplo, para que as duas mãos sejam comandadas de maneira coordenada). Ao mesmo tempo, os aprendizes de piano já demonstravam melhor performance nos testes de habilidades motoras e de discriminação de melodias e ritmos do que as crianças do outro grupo.


O aprendizado de piano também causou um aumento inesperado do tamanho do córtex na região do cingulado posterior, uma área de integração entre informação visual e o sistema límbico, que participa do aprendizado da leitura da notação musical e permite que se associe a música a emoções. Essa mudança talvez facilite a criação de vínculos do instrumentista com a música, fazendo a experiência de tocar prazerosa e recompensadora.

Se a música também modifica outras estruturas ou habilidades cerebrais menos diretamente relacionadas a tocar o instrumento, como o raciocínio lógico e espacial? Isso ainda não se pode responder. Mas, por enquanto, fica a demonstração clara de que aprender a tocar piano modifica, sim, o cérebro.

Se for de fato apenas uma questão de prática, e não de genética... quantos futuros concertistas não teremos por aí, nas escolas, à espera apenas de uma oportunidade para colocar seus dedinhos – e seu cérebro – no piano? (LSBP e SHH, abril de 2009)


Fonte:


Hyde KL, Lerch J, Norton A, Fogeard M, Winner E, Evans AC, Schlaug G (2009). Musical training shapes structural brain development. J Neurosci 29, 3019-3025.

GUIA PARA INCAUTOS



Dicas para evitar que nosso nobre leitor caia em contos do vigário


As promessas são muitas, e fáceis. Mas não se engane: raramente a cura é fácil, barata e indolor, e riqueza sem esforço só se consegue ganhando na loteria (o que ainda assim custa dinheiro).

Seguem algumas observações úteis a manter em mente quando lhe oferecerem um novo método para "usar o lado direito do cérebro" ou "modificar suas ondas mentais":

1- Você já usa os dois lados do seu cérebro, sempre, e não importa se é homem ou mulher;

2- o lado direito do seu cérebro de fato cuida do lado esquerdo do corpo, mas tanto a emoção quanto a racionalidade, e também a linguagem e até a criatividade, dependem do trabalho coordenado dos dois hemisférios, e não de um só;

3- o fluxo de sangue no cérebro é regulado precisamente pela atividade mental, e massagens a qualquer parte do corpo (muito menos na testa) não o alteram;

4- pensamentos negativos não causam doenças como câncer e infecções (embora de fato reduzam a motivação e aumentem a percepção do estresse);

5- pensamentos positivos só ajudam porque trazem mais motivação e, com isso, mais chances de agirmos positivamente;

6- a melhor maneira de promover sua atenção, memória e aprendizado é... usando a atenção e a memória e aprendendo coisas novas. Não há almoço de graça para o cérebro.

Eis uma lista de algumas tentações comuns, por categoria:



1. Aparelhos que manipulam ondas cerebrais alfa



Sim, o cérebro produz atividade elétrica que varia em ondas. Sim, as ondas "alfa" existem: são oscilações elétricas da ordem de 10 a 15 ondas por segundo, características do cérebro em estado de repouso. Sim, qualquer programa de relaxamento, por definição, aumenta sua atividade alfa, como respiração profunda e massagem, ou simplesmente fechar os olhos.

Como ondas sonoras de 10 a 15 ciclos por segundo não são audíveis, não é razoável esperar que qualquer tipo de som aumente diretamente a atividade alfa do cérebro. Pelo contrário: estímulos sonoros por definição reduzem a atividade alfa, pois forçam o cérebro a processá-los...



2. Basta mentalizar e sua realidade muda

Sim, o pensamento tem o poder de mudar o cérebro: pensamentos otimistas aumentam a motivação e nossa chance de agir positivamente, e têm tudo para se tornar bons hábitos.

Mas pensamentos NÃO mudam a realidade externa ao corpo. A física quântica é uma área legítima da física e de fato considera que existe uma probabilidade calculável, ainda que ínfima, de que objetos como bolas e mãos consigam eventualmente atravessar paredes e sair intactos do outro lado - mas isso nada tem a ver com seus pensamentos e, ao longo de toda a sua vida, a probabilidade de que tudo o que você consiga ao socar a parede seja machucar a mão é superior a 99,999%. A pobre da física quântica, assim como a neurociência, é alvo fácil de aproveitadores que distorcem os fatos à sua vontade. Até onde a ciência sabe, colares de diamante não aparecerão em seu pescoço e cheques não surgirão no correio apenas porque você os mentalizou. Se você mentaliza e eles não aparecem, a explicação daqueles que defendem os poderes da mentalização é que... você não mentalizou o suficiente! Isso lhe parece razoável?




3. Seus pensamentos negativos são responsáveis por suas doenças

Sim, pensamentos negativos e estilo cognitivo/afetivo pessimistas são nocivos à saúde por diminuir a motivação, e com ela suas chances de realização e satisfação, e aumentar sua percepção do estresse. Doenças cárdio-vasculares (hipertensão, aterosclerose) e auto-imunes (como lúpus e artrite), por exemplo, são altamente influenciáveis pela maneira como respondemos ao estresse.

Mas considerar que a causa de doenças como cânceres e infecções são seus pensamentos negativos é, no mínimo, cruel com você mesmo. Sim, o fumo aumenta a probabilidade de cânceres variados - mas isso é um tipo de ação negativa, não pensamento negativo.

Igualmente nocivo à saúde é pensar que o pensamento positivo basta para curar cânceres e outras doenças que o corpo sozinho não consegue controlar. Se uma doença não é causada por pensamentos negativos, pensar positivo não deve curá-la. Sim, otimismo e pensamento positivo são ótimos por aumentarem suas chances de procurar ajuda de fato, e farão com que você se sinta melhor - mas nenhum estudo controlado demonstra que eles sejam curativos. Se parecem, lembre que muitas doenças são auto-limitadas e se curam sozinhas. Um resfriado comum, por exemplo, se resolve sozinho em de 5 a 7 dias, quer você tenha pensamentos positivos ou negativos, chupe manga ou tome bolinhas de açúcar...



4. Músicas que induzem "baratos" semelhantes aos de drogas variadas

Sim, ouvir música dá prazer ao cérebro, que se diverte tentando encontrar padrões e antecipar-se a eles. Sim, isso envolve a ativação do mesmo conjunto de estruturas responsáveis pela sensação de prazer induzida por drogas como maconha, nicotina e cocaína.

Mas não, a música não tem como induzir o mesmo grau de ativação do sistema causada pelas drogas, por uma razão simples: o prazer da música depende de ativação interna do sistema, quer dizer, por seus próprios meios e dentro de seus próprios limites, enquanto o prazer obtido com as drogas é extraordinariamente intenso porque é externo, causado diretamente pela ação de substâncias químicas sobre as estruturas do sistema de recompensa. Por isso ele é tão mais intenso do que os prazeres que dependem do trabalho do cérebro por seus próprios meios - e não há como ser imitado por música alguma.

(FONTE: http://www.cerebronosso.bio.br/guia-para-incautos/)

AS DUAS PULGAS



(Recebido de Inês B.Teixeira)

Muitas empresas caíram e caem na armadilha das mudanças drásticas de coisas que não precisam de alteração, apenas aprimoramento.
O que lembra a história de duas pulgas.

Duas pulgas estavam conversando e então uma comentou com a Outra:

- Sabe qual é o nosso problema? Nós não voamos, só sabemos saltar. Daí nossa chance de sobrevivência quando somos percebidas pelo cachorro é zero. Por isso que existem muito mais moscas do que pulgas.

E elas contrataram uma mosca como consultora, entraram num programa de reengenharia de vôo e saíram voando. Passado algum tempo, a primeira pulga falou para a outra:

- Quer saber? Voar não é o suficiente, porque ficamos grudadas ao corpo do cachorro e nosso tempo de reação é bem menor do que a velocidade da coçada dele. Temos de aprender a fazer como as abelhas, que sugam o néctar e levantam vôo rapidamente.

E elas contrataram o serviço de consultoria de uma abelha, que lhes ensinou a técnica do chega-suga-voa. Funcionou, mas não resolveu. A primeira pulga explicou por quê:
- Nossa bolsa para armazenar sangue é pequena, por isso temos de ficar muito tempo sugando.
Escapar, a gente até escapa, mas não estamos nos alimentando direito. Temos de aprender como os pernilongos fazem para se alimentar com aquela rapidez.

E um pernilongo lhes prestou uma consultoria para incrementar o tamanho do abdômen.
Resolvido, mas por poucos minutos. Como tinham ficado maiores, a aproximação delas era facilmente percebida pelo cachorro, e elas eram espantadas antes mesmo de pousar.
Foi aí que encontraram uma saltitante pulguinha:

- Ué, vocês estão enormes! Fizeram plástica?
- Não, reengenharia. Agora somos pulgas adaptadas aos desafios do século XXI.
Voamos, picamos e podemos armazenar mais alimento.
- E por que é que estão com cara de famintas?
- Isso é temporário. Já estamos fazendo consultoria com um morcego, que vai nos ensinar a técnica do radar. E você?
- Ah, eu vou bem, obrigada. Forte e sadia.

Era verdade. A pulguinha estava viçosa e bem alimentada. Mas as pulgonas não quiseram dar a pata a torcer:

- Mas você não está preocupada com o futuro? Não pensou em uma reengenharia?
- Quem disse que não? Contratei uma lesma como consultora.
- O que as lesmas têm a ver com pulgas?
- Tudo. Eu tinha o mesmo problema que vocês duas. Mas, em vez de dizer para a lesma o que eu queria, deixei que ela avaliasse a situação e me sugerisse a melhor solução. E ela passou três dias ali, quietinha, só observando o cachorro e então ela me deu o diagnóstico.
- E o que a lesma sugeriu fazer?
- "Não mude nada. Apenas sente no cocuruto do cachorro. o único lugar que a pata dele não alcança".

MORAL:
Você não precisa de uma reengenharia radical para ser mais eficiente.
Muitas vezes, a GRANDE MUDANÇA é uma simples questão de reposicionamento.

TRABALHE SUA IMAGEM

(*) José Antônio Rosa



Muita gente competente passa uma imagem contrária e essa aparência negativa acaba por limitar suas oportunidades. É preciso ter cuidado para com a imagem e buscar eliminar dela qualquer item que possa trazer impacto desfavorável. A imagem é formada principalmente por:

a) aparência;
b) comportamentos;
c) comunicações;
d) resultados apresentados;
e) outros aspectos.

O ideal é fazer uma análise tipo 'pente-fino' da própria imagem, levando em conta cada um desses tópicos.
Vários desses pontos podem comunicar a idéia de incompetência, irresponsabilidade, falta de comprometimento com as metas da empresa, desatenção, ou simplesmente distorcem a maneira como você é visto por outras pessoas. Vejamos cada quesito individualmente:


Aparência
Uma roupa espalhafatosa, ou mesmo casual demais, pode comunicar a idéia de que o sujeito é desleixado, desorganizado, inconseqüente ou rebelde. Mas vale pecar pelo excesso de sobriedade do que pela falta dela.

Um acessório inadequado pode transmitir a idéia que o sujeito está na profissão errada (por exemplo, imagine um executivo uma pasta de esportista) ou que seu emprego não é sua maior prioridade (bonés de time de futebol etc.).

Excentricidades em geral: um bigode ou cabelo mirabolante pode dar a idéia de que o indivíduo perde tempo demais cuidado da aparência e preocupando-se com picuinhas.

Comportamentos
Atraso crônico no término de trabalhos, reuniões, cumprimento de compromissos pode ter uma boa justificativa, mas, transmite forte idéia de descaso ou incapacidade de cumprir prazos.

Manter mesa atolada, ambiente desorganizado transmitem idéia de falta de controle. Da mesma forma, excesso de objetos pessoais podem atrapalhar na hora de construir uma imagem de comprometimento.

Resista à tentação de expor seus problemas pessoais no trabalho, além de dar margem a fofocas, você tira o foco das pessoas dos resultados que obteve.

Comunicações
Excessiva comunicação social, envio de e-mails não-profissionais dá a impressão de que o indivíduo não é firme no trabalho ou está com tempo de sobra.

Confusão em comunicar transmite idéia de amadorismo ou desconhecimento do assunto discutido.

Dificuldade de diálogo ou hesitação na hora de relacionar-se com os colegas demonstra falta de espírito de liderança e limita suas opções de crescimento.

Resultados apresentados
O relatório contém erros - e lá se vai a imagem de valor que ele deveria ter e com ela a credibilidade dos dados contidos.

Explicações muito longas na hora de apresentar indicam que a proposta não se sustenta sozinha. Seja objetivo e incisivo, explicando apenas quando for necessário.

A apresentação está rebuscada e enfeitada na proposta – e os outros ficam pensando que houve desvio de atenção e perda de tempo.

Outros aspectos
As companhias escolhidas pelo indivíduo afetam negativamente sua imagem, eventualmente. Lembre-se de que ao trabalhar em uma empresa você está associando-se aos sucessos e fracassos da mesma.

Esteja sempre informado de tudo o que puder sobre sua empresa. Dessa forma você nunca é pego de surpresa e comprova estar sempre alinhado aos objetivos da mesma.

Saber trabalhar sua imagem é uma competência em si, e deve ser desenvolvida para fazer seu trabalho aparecer. Então preste atenção em como você está sendo visto em seu emprego e assuma controle de sua imagem.

sábado, 12 de setembro de 2009

ABRINDO A PORTA..


Numa terra em guerra, havia um rei que causava espanto. Cada vez que fazia prisioneiros, não os matava, levava-os a uma sala, que tinha um grupo de arqueiros em um canto e uma imensa porta de ferro do outro, na qual haviam gravadas figuras de caveiras. Nesta sala ele os fazia ficar em círculo, e então dizia:

- Vocês podem escolher morrer flechados por meus arqueiros, ou passarem por aquela porta e por mim lá serem trancados.

Todos os que por ali passaram, escolhiam serem mortos pelos arqueiros.

Ao término da guerra, um soldado que por muito tempo servira o rei, disselhe:

-Senhor, posso lhe fazer uma pergunta?

- Diga, soldado.

- O que havia por trás da assustadora porta?

- Vá e veja.

O soldado então a abre vagarosamente, e percebe que a medida que o faz, raios de sol vão adentrando e clareando o ambiente, até que totalmente aberta, nota que a porta levava a um caminho que sairia rumo a liberdade. O soldado, admirado, apenas olha seu rei que diz:

-Eu dava a eles a escolha, mas preferiram morrer a arriscar abrir esta porta...

Quantas portas deixamos de abrir pelo medo de arriscar ?Quantas vezes perdemos a liberdade, apenas por sentirmos medo de abrir a porta de nossos sonhos?

(FONTE - http://www.dejovu.com/mensagens/ver/?245)

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

EM QUE DEUS EU CREIO



Quando se pergunta a uma pessoa se ela crê em Deus, a resposta, com raras exceções, é afirmativa. Sim, ela crê em Deus.

Estranhamente, embora o expressivo número de pessoas que dizem crer em Deus, é igualmente expressivo o número dos desencantados, depressivos, desesperados.

Como se pode explicar que crendo em Deus, Pai amoroso e bom, que tudo vê, tudo sabe, tudo faz, a pessoa possa cair no poço da desesperança?

Talvez a resposta esteja na forma como cremos em Deus, ou somos levados a crer.

Albert Einstein, certa vez, em Nova York, num diálogo com o Rabino Goldstein, foi indagado se acreditava em Deus. Ele respondeu:

Tenho a origem judaica arraigada em meu interior. Acredito no Deus de Spinoza, que revela a harmonia em tudo o que existe. Não acredito, porém, que Deus se preocupe pela sorte das ações cometidas pelos homens.

Por causa desta declaração muitas polêmicas foram geradas entre Albert, físicos e religiosos. Muitos se apegaram a sua declaração para desenvolver protestos sobre as suas teorias.

Religiosos se manifestaram, dizendo que a Teoria da Relatividade deveria ser revista. Diziam que por trás de toda a controvérsia daquele físico, estava o terrível fantasma do ateísmo.

Que ele disseminava dúvidas com relação à presença de Deus sobre a criação de todo o Universo e as criaturas.

A resposta do físico foi serena, embora para muitos tenha continuado incompreensível.

Ele dizia que sua religião consistia na admiração pela humildade dos Espíritos superiores, pois esses não se apegam a pequenos detalhes, ante os nossos Espíritos incertos.

Dizia: Por esse motivo racional, diante da superioridade desse Universo, é que localizo e faço a idéia de Deus. Não sou ateu.

Quem quer deduzir isso das minhas teorias científicas, não fez por entendê-las.

Creio pessoalmente em Deus e nunca em minha vida cedi à ideologia ateia. Não há oposição entre ciência e religião.

O que há são cientistas atrasados, com ideias que não evoluíram, com o passar do tempo.

Vejo na experiência cósmica uma religião nobre, uma fonte científica para profundas pesquisas.

Procuro entender cada estrela contida nesse imenso Universo, que não é material.

Quem assim não procede, sentindo essa estranha sensação de querer levitar no infinito, realmente não sabe viver, porque está morto, diante de tanta beleza divina.

Há muitas formas de o ser humano crer em Deus. Há, para muitos, o Deus jurídico, legislador, agente policial da moralidade, que, através do medo, estabelece essa distância da verdadeira crença.

Deus está em todas as minhas teorias e invenções. Ele está presente em tudo e creio que em todos, até nas formas mais primitivas.

Essa é a minha religião e o Deus em que creio.

* * *

Se assim dizia, assim viveu. Albert Einstein foi o exemplo do cristão autêntico, preocupando-se, de forma constante, com seu semelhante.

Ainda dois anos antes de sua desencarnação, foi comemorado seu aniversário numa grande festa pública.

Tudo o que lhe foi dado como presentes, Albert transformou em dinheiro e enviou para os fundos da Faculdade de Medicina Albert Einstein.

(FONTE: www.reflexao.com.br)

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

COACHING NAS EMPRESAS



Apesar de estar no Brasil já há muitos anos, o Coaching só começou a ficar conhecido em 2000 e ganhou força no meio empresarial a partir de 2003. Isto coincide com o nível cada vez mais exigente das organizações com a qualidade de atuação de seus líderes e colaboradores em um mercado globalizado e, também, com uma tendência mundial de se repensar o Ser Humano como o verdadeiro motor das organizações, digno de cuidados especiais como: desenvolvimento, treinamento e capacitação. É nessa nova perspectiva mundial que o Coaching é diferencial certo para o sucesso.

Um "coach" é um personal-training mental/emocional que auxilia as pessoas a atingir metas profissionais e pessoais. Nas empresas, funciona como um consultor diferenciado porque atua na área humana, no desenvolvimento de diretores, gestores, colaboradores e executivos, o que acaba resultando em mudanças positivas na condução dos negócios e no ambiente de trabalho. Resultados extraordinários só podem ser obtidos através de pessoas extraordinárias. O Coaching é a ferramenta mais pragmática e poderosa para se construir equipes e pessoas de alta performance.

O Coaching nas Empresas atualmente é um diferencial extremamente competitivo pois, desenvolve competências como liderança, auto-confiança, iniciativa e comunicação, além da habilidade de lidar com adversidades. Nos EUA, 40% dos executivos já passaram pelo processo de coaching. O método é tão difundido que muitas empresas oferecem o serviço de um "coach" como benefício do cargo.

Sem dúvida, o processo de Coaching é um momento privilegiado de interação e reflexão, no qual o profissional conta com a percepção e a escuta refinadas de um Consultor/Coach, para repensar seus próprios caminhos profissionais, descobrindo e escolhendo as melhores formas de se desenvolver e promover desenvolvimento à sua volta.

No Brasil, algumas empresas, como a Petrobras, Nestlé, O Boticário, HSBC e Banco do Brasil, já utilizam o método entre seus executivos. O "coaching" é personalizado, uma assessoria privada, mas também pode ser ensinado por meio de treinamentos "in company", para determinado número de profissionais da mesma empresa.

O Coaching nas empresas pode ser utilizado para:

*Estabelecimento de uma cultura de Coaching na empresa;
*Desenvolvimento de capacidades de liderança nos executivos da empresa;
*Trabalho específico para melhoria de performance de um grupo de profissionais;
*Implantação de um programa para transformar os gerentes da empresa em coaches;
*Desenvolvimento de visão e missão da empresa;
*Estabelecimento de planejamento estratégico e de marketing;
*Melhoria no desempenho de profissionais com dificuldades de performance;
*Resolução de conflitos internos.

(Autor: Psicoterapeuta e Coach, José Roberto Marques - Diretor Instituto Equilibrium)

terça-feira, 8 de setembro de 2009

INTEGRANDO OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS



Pensamentos confusos e mente agitada - sensibilidade e emocional instáveis


Este é um exercício muito praticado nas aulas de yoga. Seu propósito, entre muitos, é acordar ambos os hemisférios do cérebro, buscando uma integração entre o lado lógico/racional com o analógico/emocional. Nesta integração acontece uma sustentação do "estado" de sentir no "mundo da realidade": a meditação, o estado de alerta.

Preparo: respire e inspire várias vezes antes de começar o exercício.

Com o dedo médio tape a narina direita. Inspire lenta e profundamente pela narina esquerda. Na sequência, solte o ar pelas duas narinas, com a boca fechada.

Tape agora com o dedo médio a narina esquerda. Inspire lenta e profundamente pela narina direita. Na sequência, solte o ar pelas duas narinas, com a boca fechada.

Repita o exercício várias vezes

.Quando decidimos alterar o ritmo da nossa respiração, podem surgir bloqueios e impedimentos. Não desista. Faça este exercício regularmente, em horários programados, de preferência antes de dormir e ao acordar. Bastam alguns minutos. Não precisa inspirar com força; faça tudo com leveza e naturalidade.

Há um ditado que diz: "O hábito faz o monge". Assim, a busca de uma prática diária de reeducação respiratória irá, aos poucos, conferindo a sua forma adequada de respirar.

Na verdade, o homem alimenta-se muito mais pela respiração do que pelo alimento. Dizem alguns pesquisadores que 80% da sustentação do corpo humano está na respiração. No entanto, na atualidade, os indivíduos só inspiram 30% do ar que deveria atrair para seus pulmões e órgãos. Conclusão: pensamentos confusos e agitados.

É importante salientar que, somente a partir do momento em que, através da respiração, nós assumirmos o controle da entrada de vida e energia em nosso corpo físico, estaremos transitando para um novo estágio, permitindo que todos os nossos corpos expandam-se. E, com a expansão dos corpos, o espírito terá uma habitabilidade terrena superior, ampliando expressões e percepções: sexto, sétimo e demais sentidos.


Este texto faz parte do livro Alimentação Desintoxicante - Conceição Trucom - Editora Alaúde. Recomenda-se a sua leitura na íntegra, o que possibilitará a prática desta filosofia de vida com consciência e responsabilidade.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

ELEGÂNCIA


(na foto,Côco Chanel)


A verdadeira elegância nasce espontânea, pois que é fruto da nobreza de caráter, sem afetação, que encontrou moradia num coração amadurecido pelas experiências da vida.

Não há fórmula externa para sua conquista. Roupas, perfumes, cosméticos, não conseguem mascarar a verdade subjacente de quem não possui essa qualidade. Basta, muitas vezes, uma simples contrariedade, para que todo o verniz, que lustrava a mera aparência, escorra e revele o quão fosca pode estar uma alma vazia de virtude.

Ser elegante é muito mais do que expressar um andar gracioso, gesticular cuidadosamente, apresentar boas maneiras à mesa, vestir o figurino mais atual...

Ser elegante passa pela auto-estima nascida de um amor real por si mesmo, auto-suficiente, e não a pseudo-auto-estima alicerçada na vaidade gerada por um ego infantil.

Não se compra a verdadeira elegância, ela é conquistada dia após dia, e independe do status social, como poderiam pretender...

Curiosamente, os elementos que mais dão elegância à vida de um ser humano, hoje em dia, são tidos como algo démodé: gentileza, respeito, confiança, paciência...

A moda se refaz às custas da necessidade. O superficial, de mãos dadas com o supérfluo, conquista o sonho e a imaginação ingênuos. Os valores são invertidos. Aquilo que é inadequado, impróprio, sem sentido, transforma-se na oportunidade de ser aceito por um grupo de pessoas que violentam seus gostos, seus modos saudáveis de ser; que perderam a individualidade e um pouco mais de suas já minguadas liberdades...

Nesse frenesi de ilusões, onde a utilidade é virada pelo avesso, sacrifica-se a elegância no altar das aparências. Imprestáveis, novos paradigmas surgem, cobrando bolsos (e indivíduos) vazios. Modificam seus preços, num ritmo tão célere, que nem sempre o dinheiro pode comprar (para desespero de alguns).

A verdadeira elegância não é beleza transitória, um mero ornamento, e nem se deixa corromper pelo modismo da ocasião. Nada esconde. Revela. É verdade imperecível da alma. Nunca morre. Transforma-se, podendo ser aperfeiçoada.

Traço sublime duma alma elevada, a elegância, sempre presente vai estar, em algum lugar do coração de quem se permite amar.

(Fonte: servodagleba2009.blogspot.com/.../elegancia.html)