segunda-feira, 17 de agosto de 2009

O que é preciso fazer para ajudar a memória?


- Por Wanda Patrocinio -

São tempos de estresse e de preocupação. Nessas horas quem sofre mais é a memória, mas os médicos avisam: existem formas de garantir uma mente ativa. Nos tempos da velocidade da informação, nada melhor do que exercitar o cérebro a todo instante com práticas que estimulam ao mesmo tempo relaxamento e concentração, como o xadrez e até as palavras-cruzadas. Os médicos aos poucos vão decifrando os mecanismos da memória e já descobriram que precisamos esquecer algumas coisas para lembrar outras. Só que tem gente que esquece de coisas fundamentais no dia-a-dia, como o nome do chefe.

Por que esquecemos tanta coisa?

“Esquecer uma chave ou onde deixou o carro no shopping center são eventos muito freqüentes, comuns e não preocupam em geral. Isso é considerado normal, porque nossa memória de curto prazo tem uma capacidade limitada. Então, você tem que esquecer aquilo para poder lembrar um outro número de telefone, por exemplo, que você vai precisar num outro dia”, explica o psiquiatra Cássio Bottino.

“Eu não lembro que eu comi quatro ou cinco dias atrás, mas eu lembro muito bem o que eu comi no jantar do meu casamento. Quer dizer, o ato é o mesmo – o jantar – mas a carga emocional para o jantar do casamento é diferente do que você fez cinco dias atrás”, acrescenta Ivan Okamoto, professor da Academia Brasileira de Neurologia.

Essas informações que a gente nunca esquece estão muito bem guardadas numa região do cérebro conhecida como hipocampo. Quando precisamos acessá-las, toda uma rede de conexões é ativada. Trata-se de um mecanismo que permanece intacto até o fim da vida se a pessoa não tiver nenhuma doença degenerativa, como Alzheimer. Mas parte da memória se deteriora com a idade, principalmente a partir dos 65 anos.

“Tem outro tipo de informação, que a gente chama de memória secundária, são os fatos novos, lidar com um novo eletrodoméstico ou nome de uma pessoa que conheceu há pouco tempo. Essa memória secundária é que está associada à idade”, afirma o psiquiatra Cássio Bottino.

A melhor maneira de evitar situações embaraçosas por causa de esquecimentos é exercitar a memória. Segundo os médicos, para conseguir manter a mente ativa, a pessoa pode escolher aquilo que mais gosta de fazer, como ler, preencher palavras-cruzadas ou jogar xadrez. Manter uma alimentação balanceada e praticar atividade física também ajuda.

“Outro dia queria me lembrar do nome ‘Vale do silício’. Não houve meio, mas depois de muito esforço eu lembrei. É uma questão de treinamento e de esforço para não se entregar ao esquecimento”, diz a aposentada Helena Cardoso.

Segundo os médicos, os problemas de memória entre as pessoas mais jovens costumam ser provocados, na verdade, por deficiência de atenção. Essa deficiência é causada por estresse e ansiedade. Ainda de acordo com os médicos, alguns alimentos reforçam os mecanismos da memória. Os melhores são os antioxidantes, como frutos do mar, peixes, laticínios, hortaliças e frutas.



(FONTE: http://g1.globo.com/bomdiabrasil/0,,MUL796206-16020,00-O+QUE+E+PRECISO+FAZER+PARA+AJUDAR+A+MEMORIA.html)

Nenhum comentário:

Postar um comentário