segunda-feira, 18 de junho de 2012

GORDURA VISCERAL

Mais importante do que controlar o peso corporal é acompanhar a circunferência abdominal. Sim, o tamanho da "barriguinha"! Essa medida é definida pela Organização Mundial da Saúde como o ponto médio entre a última costela e a crista do osso ilíaco, ou, para simplificar, a menor circunferência da região abdominal, e tem relação direta com o aumento das chances de desenvolver pré-diabetes, aumento de triglicérides, colesterol e pressão alta. Resumindo, quanto maior a barriga, maior o perigo!

Pode-se ter a impressão de que as gorduras que constituem o corpo são todas iguais, mas não são. Particularmente na região abdominal existem 2 tipos de gordura metabolicamente diferentes: a gordura subcutânea, palpável ao beliscarmos o abdômen, e a visceral ou omental, localizada entre as vísceras, abaixo da musculatura abdominal, a conhecida "barriga de chope".

Um dos motivos que fazem do tecido adiposo tão prejudicial à saúde é o fato de ser um órgão dinâmico que secreta várias substâncias denominadas ADIPOCINAS. Em sua grande maioria, estão relacionadas direta ou indiretamente a processos que contribuem com a aterosclerose, hipertensão arterial, dislipidemias, resistência à insulina e diabetes, representando o elo entre adiposidade e síndrome metabólica (denominação dada quando há associação dos seguintes problemas: alteração das gorduras sanguíneas, triglicérides, LDL e HDL colesterol, aumento da pressão arterial e glicemia alterada).

O tecido adiposo visceral é o que secreta maior concentração de adipocinas, seguido do tecido adiposo subcutâneo abdominal e do tecido subcutâneo glúteo-femural, o que explica a importância de manter a circunferência abdominal dentro dos parâmetros saudáveis.

A boa notícia é que, embora mais perigosa, a gordura omental é mais fácil de ser eliminada que as outras, ou seja, com a prática de atividade física, especialmente a intermitente (ex: tiros na esteira, na bicicleta ou durante a natação), e com ajuste da alimentação, reduz-se a circunferência abdominal de forma rápida e eficaz. Nada de desânimo!

O esforço vale a pena, basta iniciar os exercícios aos poucos e com uma boa orientação para conquistar maior qualidade de vida, menores riscos de saúde e de quebra se sentir mais atraente e bem disposto.

Em tempo: a gordura retirada durante a lipoaspiração é a subcutânea e não a visceral! O que fazem mesmo a diferença para a saúde são os exercícios e a boa alimentação.
Tabela: Medida da circunferência abdominal e risco para doenças cardiovasculares e diabetes para ambos os sexos, segundo a Organização Mundial da Saúde.

Circunferência abdominal
Homens
Risco aumentado para doenças >= 94cm
Risco muito aumentado para doenças >= 102 cm

Mulheres
Risco aumentado para doenças >= 80 cm
Risco muito aumentado para doenças >= 88 cm

Camila Freitas
Nutricionista do Instituto Vita

(FONTE: http://www.euqueroviverbem.com.br/index.php?pagina=artigos&artigo=81&categoria=2)

Nenhum comentário:

Postar um comentário